Inovação e Excelência, um retrato do Departamento de Química

Em entrevista, Artur Valente, diretor do Departamento de Química da Universidade de Coimbra (DQUC) explica como os cursos pioneiros da instituição, a juntar ao corpo docente qualificado, às instalações bem preparadas e à constante colaboração com a indústria e instituições internacionais têm garantido uma elevada empregabilidade dos recém-formados, contribuindo significativamente para avanços na área.

Perspetiva Atual (PA): Quais os fatores que distinguem o Departamento de Química (DQ) na formação das suas áreas de saber em Portugal?

Artur Valente (AV): O DQ ministra os cursos de Licenciatura em Química e em Química Medicinal, os Mestrados em Química, Química Forense, Química Medicinal e no Ensino da Física e da Química, e ainda o Programa Doutoral em Química. As licenciaturas em Química Medicinal e o Mestrado em Química Forense foram inovadores aquando da sua implementação e tiveram como desiderato responder aos desafios das necessidades da sociedade e indústria. O corpo docente altamente qualificado e a existência de instalações laboratoriais e equipamentos modernos permite que em todos os cursos os nossos alunos adquirem competências experimentais no manuseamento das técnicas mais modernas, aliado a uma componente teórica que lhes permite responder aos desafios diários de resolução de problemas, aquando no mercado de trabalho, e ainda num comportamento ético e responsável. A qualidade desta formação consubstancia-se com a empregabilidade total dos nossos alunos na indústria e laboratórios diversos, quer na área da qualidade quer na área da produção, na área da investigação e desenvolvimento, e como professores do Ensino Básico e Secundário.

 Direção DQ UC (da esquerda para a direita): Carlos Serpa, Marta Piñeiro, Artur Valente e Elisa Serra

PA: Com a recente mudança de direção no Departamento de Química da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra, qual tem sido a linha estratégica da nova gestão? Neste caso, poderia destacar algumas das ações já levadas a cabo em prol do reconhecimento e consolidação da instituição?

AV: Os Cursos de Química nas Universidades portuguesas, incluindo os da UC, passam por um período desafiante, devido ao pouco interesse que esta área do saber, que é central ao desenvolvimento e sustentabilidade da nossa sociedade, tem vindo despertar nos mais jovens. Desta forma, o DQ tem como prioridade atrair mais jovens para os diferentes cursos lecionados no Departamento de Química, dando-lhes uma sólida formação, o que lhes permite entrar no mercado de trabalho após três meses da conclusão do curso e com empregabilidade total de acordo com os dados do Instituto de Emprego. Assim, a prioridade desta direção tem sido encontrar canais de divulgação (Instagram, YouTube, etc.) da nossa formação, assim como continuar a fazer divulgação nas Escolas, desde o Ensino Primário ao Ensino Secundário. A atração de alunos internacionais é, também, uma prioridade do Departamento de Química. A dinâmica do Departamento também se faz na adaptação da oferta formativa através da lecionação de Cursos não conferentes de grau e novas disciplinas, tais como a Química Verde, com vista a adaptarmo-nos aos desafios societais e responder à necessidade de contribuirmos para uma sociedade sustentável. O Departamento de Química é uma instituição centenária. Mesmo assim, com um passado que nos orgulha, o presente e o futuro tendem a sorrir-nos. A cada vez maior interação com Empresas, através de projetos em colaboração ou a prestação de serviços, o número de patentes registadas, o número de publicações científicas da autoria dos nossos docentes e investigadores contribuem para a confirmação desse reconhecimento.

PA: Qual é a importância da vertente de Investigação para o Departamento de Química e como é que os resultados das investigações têm contribuído para o avanço do conhecimento científico?

AV: A Investigação e a transferência de saber são um pilar do Departamento de Química, na medida em que não há Universidade se esta não contribuir para o desenvolvimento do conhecimento. A Investigação realizada no Departamento de Química está enquadrada em dois centros de investigação: o Centro de Química de Coimbra e a Unidade de Química-Física Molecular. O Centro de Química de Coimbra é o maior centro de investigação, albergando mais de 100 investigadores, tendo sido avaliado com Excelente pela Fundação para a Ciência e Tecnologia.

A investigação realizada no Departamento de Química desenvolve-se em áreas tais como a Química Médica e Biológica, Catálise, Química Orgânica e de Polímeros, Química Computacional e Fotoquímica. Tendo por base uma forte componente de investigação fundamental, uma parte substancial da atividade dos diferentes grupos está relacionada com projetos de colaboração com empresas. Não menos importante, e espelho da qualidade de investigação aqui desenvolvida, é o número bastante significativo de Spin-Offs que foram criadas tendo como origem o Departamento de Química.  

PA: Reconhecendo a importância de fortalecer presença internacional do Departamento de Química, que medidas têm sido implementadas para promover a mobilidade internacional dos alunos e pessoal docente?

AV: A Internacionalização do Departamento de Química é uma realidade há décadas. A internacionalização verifica-se num sem número de colaborações científicas com investigadores das mais prestigiadas universidades internacionais, na presença de docentes no corpo editorial de imensas revistas científicas de prestígio e na mobilidade de docentes e estudantes no âmbito do programa Erasmus+. Um outro ponto importante da internacionalização do Departamento de Química é a existência de um conjunto significativo de acordos de co-tutela de alunos de doutoramento, bem como a existência de Cursos de Mestrado e Doutoramento Europeus. Salienta-se ainda que o Departamento de Química recebe anualmente alunos Erasmus bem como alunos de mestrado e doutoramento estrangeiros para efetuarem trabalho de investigação nos diferentes grupos de investigação. O Departamento de Química é também um local de eleição para a organização de Congressos Nacionais e Internacionais. Nos próximos meses cerca de um milhar de investigadores nacionais e estrangeiros reunir-se-ão no nosso Departamento no âmbito de quatro congressos distintos. Tal só é possível pelo prestígio alcançado pelos nossos docentes e investigadores e reconhecido pela comunidade internacional.

PA: Há três anos que o Departamento de Química possui um canal de YouTube, no qual disponibilizam palestras em streaming. Evidentemente, esta iniciativa é um reconhecer da importância do digital enquanto ferramenta de ensino contemporânea, mas tem também contribuído para a difusão do conhecimento além das fronteiras físicas da Faculdade?

AV: Este é um ponto muito relevante que teve como origem a necessidade de adaptação a uma nova realidade criada pela pandemia. De facto, para um canal digital de nicho, pois trata-se da disponibilização de conteúdos de Química, o número de visualizações demonstra que esta iniciativa vai além das fronteiras físicas da UC. O retorno que temos recebido de comunidades científicas estrangeiras, de entre as quais gostaria de citar a brasileira, é muito relevante. Assim, iremos, a partir do próximo ano letivo, aumentar o número de conteúdos disponibilizados, a começar pelos seminários de “30 minutos de Química” onde estudantes de doutoramento falam sobre as suas pesquisas, e que tem tido uma adesão e um sucesso muito significativo.

PA: Quais serão as principais prioridades e iniciativas que pretendem implementar para promover e impulsionar o desenvolvimento académico, científico e institucional do Departamento nos próximos anos?

AV: Temos prioridades a diferentes níveis. O edifício do Departamento de Química celebra 50 anos da sua inauguração, sendo necessário, por isso, a modernização de laboratórios e equipamentos didáticos. Um outro objetivo é o aumento de alunos inscritos no mestrado do Ensino da Física e da Química, assim como continuarmos os esforços para aumentar a atratividade dos cursos de Química. Ao nível da investigação, além de dar continuidade e iniciar novos projetos de caráter fundamental, que fazem parte do DNA do DQUC, pretendemos continuar a colaborar com as empresas nacionais quer através da prestação de serviços especializados quer através da contribuição para uma maior competitividade, pelo desenvolvimento de produtos e serviços de valor acrescentado.

1 thought on “Inovação e Excelência, um retrato do Departamento de Química

Deixe um comentário

Outra Perspetiva

Tradição aliada à Inovação nas Línguas, Literaturas e Culturas

O Departamento de Línguas, Literaturas e Culturas (DLLC) da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, reconhecido pela sua tradição...

Ciências do Desporto e Educação Física apostam na Investigação

A nova direção da Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física da Universidade de Coimbra (FCDEFUC) completou um ano...

Inovação e Excelência, um retrato do Departamento de Química

Em entrevista, Artur Valente, diretor do Departamento de Química da Universidade de Coimbra (DQUC) explica como os cursos pioneiros da...

Ensino de Vanguarda na Engenharia Mecânica

Disponibilizar uma oferta formativa universal, que seja capaz de tornar os alunos uma referência além-fronteiras, e continuar na linha da...

Um ensino de excelência da Engenharia Química

Formar as futuras gerações de Engenheiros Químicos com uma sólida e abrangente capacidade técnica e com aptidões interpessoais desenvolvidas é...