Aprendizagem ao longo da vida e as formações de curta duração

As universidades de todo o mundo estão num processo de intensa transformação, tornando-se cada vez mais digitais. O ensino superior acompanha a par e passo essa tendência das sociedades.

Os contextos e as condições laborais estão em rápida mudança, tendo alguns estudos indicado que, ao longo de um ano, entre 20% a 70% da população muda de ramo ou mesmo de ocupação[1].

A Universidade Aberta (UAb) foi a primeira universidade portuguesa a afirmar-se como universidade digital com um modelo pedagógico virtual desde 2007. Hoje, e depois da crise pandémica, continua a revelar-se a única universidade portuguesa totalmente preparada para enfrentar os desafios do ensino, da aprendizagem e da avaliação online.

A missão de formar, capacitar e abrir as portas do conhecimento a populações adultas geograficamente dispersas, liberta a UAb dos limites impostos pelo espaço e pelo tempo.

 A utilização intensiva das tecnologias e redes digitais, particularidades da sua identidade, permitem-lhe estar na vanguarda da transformação digital do sistema de ensino superior português.

Estas suas características permitiram-lhe responder de forma eficaz ao convite para implementar o programa Impulso Adultos, no quadro do Regulamento 2021/241 e do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) de Portugal, na sua componente Qualificações e Competências.

Na forma como funciona, a UAb definiu um espaço próprio na formação “Ao Longo da Vida” (ALV) e no desenvolvimento de competências a estudantes não tradicionais no acesso ao ensino superior. Com uma população estudantil cuja média de idades se situa nos 40 anos e com um plano estratégico para a formação ao longo da vida, que vem já de há 15 anos, a UAb formou cerca de 40.000 estudantes da chamada população adulta.

É neste quadro de mudança nas competências profissionais e necessidade urgente de formação, que as Microcredenciais têm vindo a ser discutidas no espaço europeu e referenciadas como uma estratégia para responder às necessidades de qualificação e requalificação profissionais.

O termo Microcredencial foi adotado pela Comissão Europeia para designar a aquisição de uma competência adquirida através de uma formação curta e não conducente a grau. Estas formações curtas devem proporcionar sempre ao aluno conhecimentos, aptidões ou competências específicas que respondam a necessidades sociais, pessoais, culturais ou do mercado de trabalho. 

A estratégia europeia de Microcredenciais tem como objetivo reconhecer, num contexto nacional e europeu, as competências adquiridas em contexto de formação ao longo da vida.  Esta condição é fundamental para se valorizar a formação profissional, em particular no contexto português onde ainda é pouco reconhecida.

No contexto português, nos objetivos de desenvolvimento sustentável da Agenda 2030 e do PRR é referido que: “As rápidas alterações existentes na nossa sociedade levam à necessidade de uma melhor preparação profissional face aos desafios cada vez mais emergentes e dinâmicos”. A necessidade de se fazer o reskilling e upskilling da população, contribuindo para a diversificação das ofertas formativas e estreitando as relações com o mercado laboral, que se enquadram neste desafio, foram estrategicamente antecipadas pela UAb.

Foram 4 as áreas escolhidas pela UAb no Programa Impulso Adultos: Aprendizagem a Distância e Digital, Transição e Transformação Digital, Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e Línguas e Comunicação.

Nestas áreas, que se enquadram no programa de ensino no modelo de Microcredenciais, pretende-se reforçar a requalificação, tanto tecnológica de formadores para Ensino a Distância e Digital, como em outras áreas estratégicas da sociedade que adiante se enumeram.

Para a UAb, a oferta de uma Microcredencial é também uma oportunidade de desenvolver, em conjunto com empresas, associações e/ou setores, ofertas de formação que permitam o upskilling ou reskilling da população adulta, enquadradas ou não no contexto laboral, com ou sem terem previamente frequentado o ensino superior. Podem, por isso, ser oferecidas ao nível 6 ou 7 (licenciatura ou mestrado), de acordo com os níveis de qualificação do quadro europeu de qualificações.

Formar novos públicos e fomentar a Aprendizagem ao Longo da Vida

A UAb preparará 24 Microcredenciais até 2025 e uma nova Pós-Graduação em Transição Digital e Transformação das Organizações.  A pós-graduação é uma oferta formativa estratégica para quadros superiores de organizações (v.g. turismo e hotelaria) e administração pública.

Desenvolvida em conjunto com a Microsoft, a pós-graduação usará software produzido pela Microsoft e formadores das duas instituições. As competências dos alunos serão reconhecidas através de Microcredenciais da UAb e de Credenciais da Microsoft Imagine Academy.

No mesmo âmbito, a UAb está a desenvolver novos conteúdos educativos, inovadores, em conjunto com a Porto Editora, com o objetivo de enriquecer os programas formativos da editora e, igualmente, a qualidade dos conteúdos oferecidos pela UAb.

Foram ainda criadas parcerias com 4 stakeholders que se constituem como pilares em quatro áreas distintas: turismo, administração local, forças de segurança e formação profissional com os seguintes objetivos:

•         Consultoria técnica (integração e parametrização, funcionalidades, aplicações, autenticação, proteção de dados, certificação e arquitetura, learning analytics);

•         Consultoria pedagógica (instrucional design, acessibilidade, usabilidade, estrutura de Templates/temas);

•         Consultoria institucional (políticas, regulamentos, visão e modelo pedagógico);

•         Consultoria institucional e organizacional (políticas, regulamentos, visão e modelo pedagógico, áreas de suporte);

A criação destas Alianças permite à UAb promover “um plano de especialização em competências e metodologias científicas e pedagógicas e em infraestruturas e sistemas de ensino a distância” tal como recomendado no Decreto-Lei n.º133/2019.

Por fim, a UAb destaca a parceria com o Laboratório de Educação a Distância e Elearning (LE@D) e com a European Association for Distance Teaching Universities (EADTU). Aqui procuram-se desenvolver soluções de avaliação e acompanhamento no âmbito do Ensino a Distância e Digital, bem como, o desenvolvimento de soluções tecnológicas de apoio aos alunos no âmbito da inteligência artificial.

A primeira Microcredencial da UAb, financiada pelo PRR já começou

A Microcredencial Educação a Distância e Digital”, com mais de 400 estudantes inscritos e uma duração de 104 horas, é constituída por 3 módulos. O objetivo é fomentar o desenvolvimento de competências pedagógicas para docentes e formadores de adultos em Educação a Distância e Digital.

Esta Microcredencial resulta da experiência adquirida através dos cursos de formação de formadores para a docência online, ministrados pela UAb, e dos seus docentes, ao longo da última década.

A UAb responde aos novos desafios das sociedades cada vez mais dinâmicas. O ensino online e em rede adquiriu grande visibilidade e relevância na educação de adultos.


[1] Kato, S., V. Galán-Muros and T. Weko (2020), “The emergence of alternative credentials”, OECD Education Working Papers, No. 216, OECD Publishing, Paris, https://doi.org/10.1787/b741f39e-en


Deixe um comentário

Outra Perspetiva

Tradição aliada à Inovação nas Línguas, Literaturas e Culturas

O Departamento de Línguas, Literaturas e Culturas (DLLC) da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, reconhecido pela sua tradição...

Ciências do Desporto e Educação Física apostam na Investigação

A nova direção da Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física da Universidade de Coimbra (FCDEFUC) completou um ano...

Inovação e Excelência, um retrato do Departamento de Química

Em entrevista, Artur Valente, diretor do Departamento de Química da Universidade de Coimbra (DQUC) explica como os cursos pioneiros da...

Ensino de Vanguarda na Engenharia Mecânica

Disponibilizar uma oferta formativa universal, que seja capaz de tornar os alunos uma referência além-fronteiras, e continuar na linha da...

Um ensino de excelência da Engenharia Química

Formar as futuras gerações de Engenheiros Químicos com uma sólida e abrangente capacidade técnica e com aptidões interpessoais desenvolvidas é...