“Nenhuma descoberta é pequena”

Prevenir doenças não é tarefa fácil, no entanto, sempre será essencial para promover a saúde. Com base em três pilares fundamentais da investigação do medicamento, o iMED.ULisboa, sob direção de João Gonçalves, tem como missão estudar doenças e desenvolver medicamentos inovadores e eficazes que protejam os doentes.

Perspetiva Atual: O iMED.ULisboa é uma unidade de investigação interdisciplinar. Qual é a missão do Instituto e em que áreas estratégicas se concentra a sua atividade?

João Gonçalves, diretor do iMED.ULisboa

João Gonçalves: A visão do iMed é aperfeiçoar a integração entre a investigação dos mecanismos da doença, a tecnologia do medicamento, e a translação para o doente e para a sociedade das descobertas científicas de modo a promover a saúde e a prevenção da doença.

A nossa visão para desenvolver medicamentos inovadores e avançados resulta na união de três grandes áreas: uma investigação científica ambiciosa, uma inovação tecnológica em constante evolução e um esforço de translação constante de forma a levar os nossos avanços do laboratório para cada indivíduo ou doente. Acreditamos no iMed que nenhuma descoberta é pequena. Todas as descobertas científicas são importantes para promover a saúde e a prevenir a doença.

A nossa investigação flui entre 3 pilares: Científico, Tecnológico e Translacional.

  • No pilar Científico, visamos integrar as disciplinas biológicas, químicas e farmacêuticas para desenvolver ferramentas e técnicas de vanguarda para prevenir, detetar e tratar o cancro e as doenças neurodegenerativas, metabólicas e infeciosas.
  • No pilar Tecnológico, traduzimos o nosso conhecimento científico e tecnologias avançadas em soluções inovadoras que capacitam a sociedade a viver melhor e com mais saúde. Isto é possível graças à extensa rede de parcerias entre a nossa comunidade científica e diversas empresas farmacêuticas e de biotecnologia, que transformam as nossas pesquisas e tecnologias inovadoras em produtos úteis para a saúde humana.
  • No pilar Translacional, procuramos inovar e facilitar a investigação translacional disruptiva para benefício da saúde humana, e traduzindo as nossas descobertas científicas fundamentais em pesquisa aplicada no campo da utilização do medicamento, farmacovigilância e farmacoterapia. Trabalhamos conjuntamente com vários participantes do setor de saúde, incluindo grupos governamentais, médicos e profissionais de saúde, assim como doentes e suas organizações e associações representativas.

PA: Quais são as etapas de um processo de investigação?

JG: Na vertente de investigação mais básica, estudos inovadores envolvem uma estreita colaboração entre equipas de química, da biologia e das ciências farmacêuticas. As equipas multidisciplinares colaboram diariamente no desenvolvimento de ferramentas e técnicas pioneiras para prevenir, detetar e tratar o cancro, doenças neurodegenerativas, metabólicas e infeciosas.

Do ponto de vista tecnológico, estamos altamente empenhados em traduzir os nossos conhecimentos científicos avançados e tecnologias em soluções inovadoras de cuidados de saúde que capacitam as sociedades a viver melhor e de forma mais saudável. Isto é impulsionado pelos esforços conjuntos do nosso instituto com múltiplos intervenientes no sector da Saúde (incluindo decisores políticos e clínicos internacionais na área da saúde), bem como pelo diálogo permanente com associações de profissionais e de doentes.

PA: O iMED.ULisboa tem sede na Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa. De que forma os estudantes da FFUL são integrados nas atividades de investigação?

JG: A formação pós-graduada é parte integral do iMed.ULisboa. Os alunos são incorporados numa forte cultura institucional de apoio, onde não faltam eventos educativos e sociais inclusivos. A nossa filosofia permite que jovens investigadores em início de carreira se tornem independentes, e oferece múltiplas oportunidades para que cientistas em progressão de carreira se tornem líderes académicos. O iMed.ULisboa participa no Programa Doutoral em Farmácia da Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa, que se centra na investigação translacional conducente à descoberta de alvos terapêuticos e ao design de fármacos, bem como ao desenvolvimento pré-clínico e avaliação da segurança de medicamentos. O iMed.ULisboa integra, ainda, redes doutorais Marie Skłodowska-Curie e Paul Ehrich, bem como programas pan-europeus de educação e formação IMI em ciências da segurança de medicamentos (SafeSciMet) e desenvolvimento de medicamentos (PharmaTrain). O iMed.ULisboa recebe ainda alunos de Mestrado, nacionais e internacionais, para desenvolver projetos de tese nos vários grupos de investigação.

PA: O iMed teve um importante envolvimento no combate à Covid-19, tanto a nível da investigação ligada à resposta imunitária às vacinas em diferentes condições, como na procura de alternativas mais eficazes de imunização contra o SARS-COV-2 e, também, nas campanhas de testagem. De que forma é que os investigadores encararam este desafio e como foi lidar com todas as questões que foram levantadas em relação à eficácia das vacinas?

JG: Foi muito inspirador durante a pandemia ver os investigadores do iMed a trabalhar no diagnóstico, no estudo do vírus, na resposta às vacinas e no desenvolvimento de formulações e desinfetantes. Desde os primeiros dias da pandemia, o iMed.ULisboa iniciou um programa intenso de monitorização da infeção e da resposta imunológica às vacinas da Covid19, permitindo fazer mais de 200 000 diagnósticos e para apoiar os esforços de controlo da infeção nos hospitais, lares e população em geral. Todo este esforço permitiu-nos desenvolver ferramentas e obter resultados que nos fizeram com que a opinião da ciência pudesse ser ouvida e compreendida pela sociedade e levou também a que a vacinação fosse compreendida por todos como essencial para o controlo da pandemia.

PA: Vários projetos de investigação são financiados por entidades nacionais e internacionais e/ou realizados em colaboração com outros centros de investigação. Quem são os parceiros do iMED e em que bases são construídas estas parcerias?

JG: Os investigadores do IMED colaboram com diversas equipas internacionais e nacionais, as quais pertencem a Universidades, Institutos de Investigação, Indústrias, start-ups, bem como instituições governamentais e não-governamentais, sem fins lucrativos, como Associações de Doentes. Para além dos projetos nacionais, os quais são muito importantes para garantir que as nossas estratégias sejam duradouras e desta forma possam transformar-se em soluções reais, contamos com projetos desenvolvidos a nível internacional, tais como os projetos apoiados pela Fundação Bill Gates, Fundação la Caixa, Horizon Europe. Nestes projetos recebemos alunos e investigadores juniores provenientes de vários países Europeus através de projetos ITN e Marie Curie. Além disso, as nossas equipas têm tido também a oportunidade de participar em grandes consórcios e redes europeias (EuroNanoMed, EU-Openscreen, etc), os quais certamente ajudarão a colocar Portugal no lugar que merece em termos de desenvolvimento tecnológico e científico.

PA: Quais os projetos publicados ao longo deste ano que tiveram mais impacto no desenvolvimento científico?

JG: Um dos exemplos das muitas investigações do iMed, tem a ver com a descoberta de uma pequena molécula que pode ser uma alternativa mais acessível e eficaz aos anticorpos usados no tratamento de vários tipos de cancro. Investigadores do iMed (grupos liderados pela Rita Guedes e Helena Florindo) na Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa, em colaboração com a Universidade de Tel Aviv. Esta equipa internacional utilizou recursos computacionais e bioinformáticos para encontrar pequenas moléculas com a mesma capacidade de inibir o PD-L1. Este estudo computacional levou a uma lista de candidatos promissores, os quais foram posteriormente avaliados em células tumorais de doentes com melanoma e cancro de mama, primários e metastáticos.

Outra área de investigação do iMed relaciona-se com o fígado gordo não alcoólico que afeta cerca de ¼ da população mundial. O fígado gordo não alcoólico acarreta sobretudo um risco aumentado de morte relacionado com a doença cardiovascular, por estar frequentemente associado a obesidade, diabetes e hipertensão. Estudos desenvolvidos no Instituto de Investigação do Medicamento (iMed.ULisboa – Cecília Rodrigues), mostraram que os níveis da proteína RIPK3 estão associados à severidade do fígado gordo não alcoólico, contribuindo para a inflamação, fibrose e desenvolvimento de cancro do fígado. Estes investigadores estão agora a procurar identificar e desenvolver novos inibidores da RIPK3 que possam eventualmente no futuro poder ser usados como terapia para a doença de fígado gordo não alcoólico.

PA: Quais os planos e objetivos da direção para o próximo ano?

JG: A investigação realizada no iMed continuará profundamente colaborativa, lançando projetos inovadores e de elevado impacto científico nas diferentes áreas de intervenção, desenvolvendo e implementando ferramentas tecnológicas e farmacêuticas, e desenvolvendo novas terapêuticas para implementação clínica. Pretendemos estimular a nossa criatividade na forma como abordamos os problemas e encontramos soluções na prevenção da doença e promoção da saúde. Os objetivos alargados do iMed.ULisboa para 2023 é garantir que os benefícios gerados sejam partilhados por todos.

Deixe um comentário

Outra Perspetiva

Tradição aliada à Inovação nas Línguas, Literaturas e Culturas

O Departamento de Línguas, Literaturas e Culturas (DLLC) da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, reconhecido pela sua tradição...

Ciências do Desporto e Educação Física apostam na Investigação

A nova direção da Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física da Universidade de Coimbra (FCDEFUC) completou um ano...

Inovação e Excelência, um retrato do Departamento de Química

Em entrevista, Artur Valente, diretor do Departamento de Química da Universidade de Coimbra (DQUC) explica como os cursos pioneiros da...

Ensino de Vanguarda na Engenharia Mecânica

Disponibilizar uma oferta formativa universal, que seja capaz de tornar os alunos uma referência além-fronteiras, e continuar na linha da...

Um ensino de excelência da Engenharia Química

Formar as futuras gerações de Engenheiros Químicos com uma sólida e abrangente capacidade técnica e com aptidões interpessoais desenvolvidas é...