Quase 50 mil alunos colocados na primeira fase do Concurso Nacional de Acesso ao Ensino Superior

Cerca de 50 mil estudantes asseguraram o seu lugar na primeira fase do Concurso Nacional de Acesso ao Ensino Superior (CNAES), revelando um ligeiro decréscimo em relação ao ano anterior. Essa cifra traduz a conquista de 84% dos candidatos que almejavam uma vaga nas instituições de ensino superior do país.

Segundo dados divulgados pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES), dos 59.073 alunos que submeteram candidaturas, 49.438 garantiram a sua colocação. Este número representa uma diminuição de 0,7% em relação à mesma fase do processo seletivo no ano passado.

É digno de nota que mais de metade dos concorrentes (56%) conseguiram alcançar a sua primeira escolha de curso, enquanto impressionantes 87% conseguiram um lugar numa das três opções iniciais.

Na avaliação dos cursos superiores disponíveis nesta fase, a grande maioria preencheu todas as suas vagas, restando apenas 305 cursos com lugares ainda disponíveis.

Para a segunda fase do CNAES, que tem início hoje, dia 28 de agosto, estão disponíveis 5.212 vagas. Contudo, esse número representa uma redução de 1,4% em comparação ao ano anterior.

Quatro instituições de ensino superior apresentam, neste momento, um preenchimento total de vagas: as Escolas Superiores de Enfermagem de Lisboa, Porto e Coimbra, juntamente com o ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa.

Destaca-se que alguns institutos politécnicos continuam a ser menos procurados, resultando em mais vagas disponíveis. O Instituto Politécnico de Bragança lidera esse cenário com 944 lugares, seguido pelos institutos de Viseu (462) e Braga (339 lugares).

As universidades de Lisboa, Porto e Coimbra foram as que mais abriram vagas na primeira fase do CNAES, com 7.424, 4.706 e 3.396 lugares, respetivamente. Não surpreendentemente, estas instituições também foram as mais desejadas, com um grande número de estudantes a colocarem os seus cursos como primeira opção: 9.066 candidatos escolheram a Universidade de Lisboa, enquanto 7.576 optaram pela Universidade do Porto.

Os dados divulgados pelo MCTES revelam que, mais uma vez, há cursos para os quais não houve candidaturas. Foram identificados 38 cursos nessa situação, a maioria deles em institutos politécnicos e nas áreas de engenharia.

Em contraste, os cursos de Engenharia Aeroespacial mantêm-se como os mais procurados, apresentando as médias de entrada mais elevadas. Dentro deste grupo de 14 cursos – onde também se inclui Medicina – apenas os alunos com uma média superior a 18 valores conseguiram vagas.

Os candidatos que pretendam participar na segunda fase têm até 5 de setembro para submeterem as suas candidaturas. As aproximadamente cinco mil vagas remanescentes da primeira fase também estão disponíveis no website da DGES. No dia 4 de setembro, serão anunciadas as vagas que, embora previamente ocupadas, não receberam matrícula ou inscrição por parte dos alunos, voltando assim a estar disponíveis.

Deixe um comentário

Outra Perspetiva

Tradição aliada à Inovação nas Línguas, Literaturas e Culturas

O Departamento de Línguas, Literaturas e Culturas (DLLC) da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, reconhecido pela sua tradição...

Ciências do Desporto e Educação Física apostam na Investigação

A nova direção da Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física da Universidade de Coimbra (FCDEFUC) completou um ano...

Inovação e Excelência, um retrato do Departamento de Química

Em entrevista, Artur Valente, diretor do Departamento de Química da Universidade de Coimbra (DQUC) explica como os cursos pioneiros da...

Ensino de Vanguarda na Engenharia Mecânica

Disponibilizar uma oferta formativa universal, que seja capaz de tornar os alunos uma referência além-fronteiras, e continuar na linha da...

Um ensino de excelência da Engenharia Química

Formar as futuras gerações de Engenheiros Químicos com uma sólida e abrangente capacidade técnica e com aptidões interpessoais desenvolvidas é...