DET: A aposta da Universidade do Minho na Engenharia Têxtil

Com o desenvolvimento da Indústria Têxtil e de Vestuário (ITV) portuguesa é de estranhar que apenas uma universidade nacional ofereça formação superior na área. Hélder Carvalho, o diretor do Departamento de Engenharia Têxtil (DET), da Universidade do Minho, explica a importância de continuar a apostar nesta área, em Portugal.  

Perspetiva Atual: A Universidade do Minho foi das primeiras universidades portuguesas a investir em cursos superiores na área de Engenharia Têxtil. Neste momento, quão abrangente é a vossa oferta formativa?  

Hélder Carvalho: A Universidade do Minho, por via do Departamento de Engenharia Têxtil (DET), é a única universidade portuguesa a oferecer formação superior na área têxtil.  Os cursos foram reestruturados recentemente e compõem-se de uma licenciatura e de um mestrado com duas áreas de especialização. Esta reformulação permitiu verter para o ensino os resultados da investigação que se faz no Centro de Ciência e Tecnologia Têxtil (2C2T). Por outro lado, procurou-se uma maior proximidade com a indústria, introduzindo um estágio industrial e promovendo dissertações em cooperação. 

A oferta prossegue com o Doutoramento em Engenharia Têxtil, oferecido pelo 2C2T. 

O DET promove também cursos na área do Design, possuindo, desde 1990, um Mestrado em Design e Marketing. Mais tarde surgiram a licenciatura em Design e Marketing de Moda e o Mestrado em Design de Comunicação de Moda. Finalmente, com o 2C2T e com a Universidade da Beira Interior, oferecemos o Doutoramento em Design de Moda. 

PA: O sector têxtil e de vestuário representa em torno de 25% da produção da indústria transformadora e é o principal sector exportador com uma quota de cerca de 30% do total da indústria transformadora. Como explica esta elevada percentagem de exportação? A ITV portuguesa encontra-se num bom caminho para conquistar mais mercados internacionais? 

HC: A indústria têxtil e de vestuário (ITV) portuguesa tem sofrido uma constante transformação. Se em tempos a mão-de-obra barata era o argumento principal, com o decorrer do tempo começámos a produzir produtos mais avançados e nesse processo adquirimos muito know-how. Hoje em dia temos muitas empresas com desenvolvimento próprio, moda, produtos de alta qualidade, tecnologia avançada e controlo sobre a distribuição. Estamos no bom caminho. 

PA: Ao contrário do que se possa pensar, esta é uma indústria que está permanentemente à procura de novos produtos e mercados. Contudo, em Portugal faltam engenheiros têxteis para muitos pedidos de emprego não preenchidos. A que se deve esta falta de mão-de-obra? 

HC: Ao longo do tempo foi-se criando publicamente uma falsa imagem do declínio da ITV portuguesa. Esta imagem levou a um desinteresse pelos nossos cursos. Felizmente hoje em dia esta visão está a diluir-se. Do lado das empresas nunca houve falta de interesse em mão-de-obra de nível superior neste setor, porque os produtos e os processos assim o exigem. Há inclusive iniciativas de empresas no sentido de angariar graduados desde o primeiro momento da sua formação. É curioso que até engenheiros de outras áreas são recrutados e “convertidos”, devido à escassez de licenciados na área específica. 

PA: Sente que com o avançar do tempo, a população portuguesa está a começar a valorizar mais os produtos portugueses? O que falta nas produções portuguesas para alargarem as vendas no próprio país? 

HC: Temos excelentes marcas e produtos nacionais populares entre os portugueses – e não só. Muitas delas apresentam uma imagem e comunicação competente, com produtos de moda ou técnicos que estão num nível muito alto. É este o processo que a indústria tem que prosseguir. Os portugueses não irão consumir produtos portugueses “só porque sim”, mas se lhe reconhecerem a mesma qualidade e imagem que aos produtos estrangeiros, fá-lo-ão, talvez até com mais satisfação.  

PA: Um dos temas que mais se tem falado nos últimos anos e que se insere muito nesta área industrial é a sustentabilidade e a proteção do meio ambiente. Que cuidados são tomados neste sentido? 

HC: Este é um tema muito atual, tanto na indústria como na academia. Temos inúmeros trabalhos de mestrado e de doutoramento que investigam neste âmbito. A maioria dos projetos curriculares dos nossos alunos têm este tema como um dos requisitos. Há unidades curriculares que abordam especificamente este tema. E na indústria há imensos movimentos neste sentido. Os nossos graduados irão encontrar na indústria muitas oportunidades de colaborarem neste âmbito. 

PA: Quais são os objetivos e os planos para o futuro do Departamento de Engenharia Têxtil da U. Minho? 

HC: O DET, na sua missão de formar profissionais superiores de grande qualidade, vai continuar a empenhar-se nas atividades de formação, combinando estas com uma ligação forte à I&D. Os laços com a indústria são fundamentais, também para poder corresponder às suas necessidades. Muitos dos profissionais responsáveis hoje em dia na indústria estudaram na Universidade e lá aprenderam “a aprender” para chegarem ao ponto em que estão.  

O processo de formação na Universidade não é fácil, pois temos muitas limitações materiais – e cada vez mais. Mas a missão principal é proporcionar aos nossos estudantes os conhecimentos, a metodologia e a independência de raciocínio e criação que lhes permita evoluir na sua profissão. 

Deixe um comentário

Outra Perspetiva

Tradição aliada à Inovação nas Línguas, Literaturas e Culturas

O Departamento de Línguas, Literaturas e Culturas (DLLC) da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, reconhecido pela sua tradição...

Ciências do Desporto e Educação Física apostam na Investigação

A nova direção da Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física da Universidade de Coimbra (FCDEFUC) completou um ano...

Inovação e Excelência, um retrato do Departamento de Química

Em entrevista, Artur Valente, diretor do Departamento de Química da Universidade de Coimbra (DQUC) explica como os cursos pioneiros da...

Ensino de Vanguarda na Engenharia Mecânica

Disponibilizar uma oferta formativa universal, que seja capaz de tornar os alunos uma referência além-fronteiras, e continuar na linha da...

Um ensino de excelência da Engenharia Química

Formar as futuras gerações de Engenheiros Químicos com uma sólida e abrangente capacidade técnica e com aptidões interpessoais desenvolvidas é...