“Os estudantes dão vida à cidade”

Assumindo-se como uma instituição de ensino superior politécnico público ao serviço da sociedade, o Instituto Politécnico de Santarém (IPSantarém) é composto por cinco escolas superiores, abrangendo assim várias áreas profissionais. Com o objetivo de, em 2030, ser uma instituição “líder e de excelência, no ensino superior à escala global, na formação de pessoas e no valor que oferece à sociedade”, o IPSantarém mostra-se empenhado em garantir as melhores condições para todos os que constituem a sua comunidade, tanto dentro das escolas, como na região em que está localizado. Ao longo desta entrevista, João Moutão, Presidente do IPSantarém, revela à Perspetiva Atual alguns dos obstáculos e objetivos futuros do Politécnico, incluindo, também, diversas novidades na oferta formativa para o próximo ano letivo.

Perspetiva Atual: No passado mês de março, realizou-se uma conferência no Instituto Politécnico de Santarém (IPSantarém) a propósito do Dia Nacional do Estudante, onde o próprio Presidente da Câmara admitiu que os estudantes “merecem mais carinho das pessoas” e que Santarém precisa de “mudar de mentalidade”. Quais são os maiores obstáculos encontrados pelos estudantes do IPSantarém atualmente?

João Moutão, Presidente do IPSantarém

João Moutão: O número de estudantes na cidade de Santarém tem crescido muito nos últimos anos, sendo já superior a 5000, o que, de forma natural, provoca uma mudança na dinâmica social. Isso é muito positivo. Os estudantes dão vida à cidade, ajudam a mudar as mentalidades e isso é reconhecido de uma forma geral pela população.

Claro que há sempre quem se queixe devido ao barulho quando há festas e convívios de estudantes, mas esses são os mesmos que se queixavam por a cidade ser muito parada quando não tinha estudantes. No caso dos estudantes, as suas reivindicações são de que haja mais espaços e eventos destinados aos estudantes, o que é perfeitamente justificado.

PA: A resolução destes problemas, conjugada com um ensino de qualidade, poderia ser o fator revolucionário que a região de Santarém precisa para conseguir evoluir mais e até fixar um maior número de pessoas nesta localidade? Sente que o próprio IPSantarém tem um papel de relevo no que toca ao desenvolvimento desta zona?

JM: Sem dúvida. O IPSantarém tem por missão entregar valor à região, produzindo novo conhecimento para os setores produtivos e tornando a região mais competitiva e atrativa para a fixação de jovens qualificados.

PA: O IPSantarém vai abrir uma loja social na instituição como uma iniciativa dos Serviços de Ação Social, em parceria com o núcleo distrital da Rede Europeia Anti-Pobreza. O que motivou esta decisão e como irá funcionar este espaço?

JM: Em Santarém existe uma grande mobilização das pessoas em torno da vertente social e nós, enquanto Instituição da Região, não somos exceção. O IPSantarém é reconhecido pelo trabalho que desenvolve ao nível da educação inclusiva e pelas redes informais que estabelece de apoio aos seus estudantes. Aqui ninguém fica para trás. Esta iniciativa da loja social é exemplo disso, e permitirá fazer chegar aos nossos estudantes mais carenciados diferentes tipos de artigos a custo zero, como sejam roupas e materiais escolares. Estes artigos são doados livremente pela população em geral.

PA: Nos dias de hoje, com tantos problemas a abalarem o mundo, qual diria que é a grande responsabilidade do IPSantarém para com a sociedade?

JM: Temos uma responsabilidade direta na melhoria das condições de vida da população, através da melhoria das suas qualificações e da sua qualidade de vida. No entanto, diria que o maior contributo que podemos dar é ao nível do desenvolvimento dos valores da tolerância e da participação ativa e democrática na sociedade. Estes valores são praticados diariamente de modo formal e informal, através das vivências do dia-dia no ensino superior. Considero que o Ensino Superior é um dos pilares do nosso sistema democrático.

PA: As necessidades do mercado de trabalho atual são bem diferentes das de há 20 anos. O que se espera, hoje em dia, de uma instituição de ensino superior? O que é considerada uma formação completa e de qualidade?

JM: Espera-se isso mesmo, que seja capaz de interpretar essas mudanças da sociedade e de as acompanhar. Isso exige uma grande flexibilidade nos programas de formação que são propostos, que permitam aos estudantes desenhar um percurso de formação cada vez mais individualizado e de interação com o mercado de trabalho, com recurso às novas tecnologias e metodologias de ensino. Uma formação completa traduz-se nisso mesmo, ou seja, que tenha uma sólida base científica e que esteja alinhada com a realidade do mercado de trabalho e dos seus estudantes, respondendo às suas exigências em permanente mudança.

PA: A permissão para os politécnicos incluírem doutoramentos na sua oferta formativa pode contribuir para chegar a esse nível de “formação completa”? Qual é a posição do IPSantarém relativamente a este assunto?

JM: Esta medida foi natural, atendendo ao grande desenvolvimento científico e tecnológico verificado nos Institutos Politécnicos, nos últimos anos. Na prática, os doutoramentos já eram desenvolvidos nos Institutos Politécnicos, apenas não podíamos outorgar o grau por uma questão legal.  Do ponto de vista do IPSantarém, estamos a trabalhar para podermos desenvolver este grau de doutor em algumas áreas onde somos referência, como no desporto, agricultura e inovação digital.  

PA: Um novo ano letivo está a chegar. Quais são as novidades preparadas pelo IPSantarém e que expectativas têm para 2023/2024?

JM: Neste momento estamos a apostar na deslocalização de ofertas formativas para a Região norte de Lisboa, bem como na formação de adultos. Ao nível da oferta formativa deslocalizada vamos disponibilizar os seguintes Cursos Técnicos Superiores Profissionais: Tecnologias e Programação de Sistemas de Informação, em Vila Franca de Xira; Viticultura e Enologia, em Arruda dos Vinhos; Surfing, no Treino e na Animação Turística, na Ericeira, e Cuidados Veterinários, em Runa, concelho de Torres Vedras. Para além disso, vamos abrir também dois novos cursos que aguardam aprovação: Produção de Insetos, na Escola Superior Agrária, e Gaming e Esports, na Escola Superior de Desporto, que demonstram a preocupação de inovação na formação. No âmbito da formação de adultos, vamos disponibilizar 5 novas Pós-Graduações: Atividade Física na Gravidez, Hospitalização Domiciliária, Dieta Mediterrânea, Inovação Digital, e Educação STEAM.

Outra Perspetiva

Tradição aliada à Inovação nas Línguas, Literaturas e Culturas

O Departamento de Línguas, Literaturas e Culturas (DLLC) da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, reconhecido pela sua tradição...

Ciências do Desporto e Educação Física apostam na Investigação

A nova direção da Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física da Universidade de Coimbra (FCDEFUC) completou um ano...

Inovação e Excelência, um retrato do Departamento de Química

Em entrevista, Artur Valente, diretor do Departamento de Química da Universidade de Coimbra (DQUC) explica como os cursos pioneiros da...

Ensino de Vanguarda na Engenharia Mecânica

Disponibilizar uma oferta formativa universal, que seja capaz de tornar os alunos uma referência além-fronteiras, e continuar na linha da...

Um ensino de excelência da Engenharia Química

Formar as futuras gerações de Engenheiros Químicos com uma sólida e abrangente capacidade técnica e com aptidões interpessoais desenvolvidas é...