Os problemas do mundo real como base do ensino do DCM

Com o novo ano letivo prestes a começar, a Diretora do Departamento de Ciências Médicas, Odete da Cruz e Silva, explica o método de ensino em vigor no DCM e revela as novidades preparadas para 2022/2023.

Ensino baseado em problemas

Criado em 2015, o Departamento de Ciências Médicas nasceu com o intuito de se destacar das demais faculdades com um método de ensino inovador na altura, e, segundo a Professora Doutora Odete da Cruz e Silva, nada mostra mais a essência do Departamento de Ciências Médicas do que a sua metodologia de aprendizagem.  “Temos o ensino tradicional como o típico seminário e as aulas práticas, mas a componente mais forte no nosso ensino é baseada no método PBL, ou seja, uma aprendizagem baseada em problemas “, explica a Diretora.

Com o intuito de promover o desenvolvimento de habilidades de pensamento crítico e de resolução de problemas, o PBL usa situações complexas do mundo real ​​como veículo para promover a aprendizagem de conceitos e princípios. As questões de aprendizagem são elaboradas pelas estudantes.

Estas aulas são realizadas em pequenos grupos de dez alunos e um docente, de modo a que seja mais simples atender às necessidades de cada estudante e proporcionar uma maior atenção a cada aspeto do problema apresentado.

Outras componentes práticas têm vindo a ser desenvolvidas pelo Departamento de Ciências Médicas. Segundo a Diretora, os alunos do segundo ano de mestrado têm agora a possibilidade de experienciar o que é participar num congresso, no Dia do Mestrado, onde os alunos fazem uma apresentação dos seus posters finais e partilham os resultados obtidos. No final, o melhor poster é reconhecido com um prémio oferecido pelo departamento.

O mesmo começou-se a fazer com os alunos da licenciatura. “No terceiro ano, os estudantes têm uma componente mais participativa, no que diz respeito à investigação, com uma aproximação aos laboratórios dos investigadores”, partilha Odete da Cruz e Silva. “Esses alunos fazem também um trabalho em grupo que se baseia na investigação que decorre aqui no departamento e na unidade de investigação (iBiMED), apresentam um poster, defendem os seus resultados e aprendem o que é fazer ciência.“

“A nossa preocupação é formar o estudante no contexto do mundo real, de modo que aprenda a lidar com problemas que irão encontrar no dia a dia das suas profissões”

Novidades para 2022/2023

  • Mestrado em Bioinformática Clínica, segunda edição:

Divide-se em dois ramos: Decisão Clínica e Bioinformática do Genoma.

O primeiro pretende formar profissionais de saúde preparados para ajudar na tomada de decisão do ponto de vista clínico, já o ramo de Bioinformática do Genoma tem como objetivo formar mestres com conhecimentos sobre o perfil do paciente do ponto de vista genético e como isso pode contribuir para o desenvolvimento de patologias específicas.

 “Nesta era de saúde digital, o Mestrado em Bioinformática Clínica pretende formar especialistas com conhecimentos em ciência de dados em saúde, que sejam capazes de usar as várias bases de dados genómicas internacionais e integrar informação relevante para a saúde.”

  • Curso de especialização “Liderança e Gestão em Saúde”, lançado este ano, no segundo semestre:

Curso direcionado aos profissionais de saúde focado na gestão e na implementação de metodologias de liderança e motivação.

Estes cursos são construídos a pensar na criação de equipas “multidisciplinares”, cada vez mais necessárias no mercado de trabalho atual.

Parcerias e saídas profissionais

Apesar de alguns estudantes terem a oportunidade de trabalhar nas empresas parceiras do Departamento, onde realizam o estágio do final do curso, a maioria opta por dar continuidade à sua formação.  “O nosso perfil típico de estudante é aquele que já sabe o que quer. Grande parte já entra para a licenciatura a pensar que quer seguir investigação, por isso muitos dos nossos alunos seguem para mestrado e doutoramento. Alguns, que não pretendem seguir a área de investigação, integram num curso de medicina. A oferta de mestrados contribui para definir os percursos profissionais. ”, revela a Diretora.

Relativamente às parcerias com essas empresas e hospitais, Odete da Cruz e Silva refere que “é muito importante ter esta ligação com hospitais, institutos e clínicas que conseguem identificar as lacunas que existem no campo de trabalho. Só assim é que as instituições de ensino podem tentar dar resposta às questões mais relevantes.”

O DCM no panorama nacional

Tendo uma das licenciaturas mais procuradas dentro da Universidade de Aveiro, o Departamento de Ciências Médicas mostra o seu prestígio espelhado nos resultados dos seus alunos. A Universidade de Aveiro atribuiu 310 bolsas de estudo aos melhores caloiros de 2021/2022, sendo que 45 desses alunos são da Licenciatura em Ciências Biomédicas, representando cerca de 50% dos matriculados no referido curso.

“O nosso último aluno colocado teve uma média de 18. Felizmente, não temos dificuldade em captar alunos”, comenta com orgulho.

Para concluir, a Diretora comenta ainda, “tanto a oferta formativa direcionada para o estudante, como os cursos específicos dirigidos para os profissionais de saúde contribuem para o desenvolvimento da região, tendo impacto não só a nível local, mas a nível nacional. Isso deixa-nos orgulhosos do trabalho realizado por todos os que constituem o DCM, visto ser um trabalho conjunto que envolve docentes, investigadores, apoio administrativo e estudantes.”

Deixe um comentário

Outra Perspetiva

Tradição aliada à Inovação nas Línguas, Literaturas e Culturas

O Departamento de Línguas, Literaturas e Culturas (DLLC) da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, reconhecido pela sua tradição...

Ciências do Desporto e Educação Física apostam na Investigação

A nova direção da Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física da Universidade de Coimbra (FCDEFUC) completou um ano...

Inovação e Excelência, um retrato do Departamento de Química

Em entrevista, Artur Valente, diretor do Departamento de Química da Universidade de Coimbra (DQUC) explica como os cursos pioneiros da...

Ensino de Vanguarda na Engenharia Mecânica

Disponibilizar uma oferta formativa universal, que seja capaz de tornar os alunos uma referência além-fronteiras, e continuar na linha da...

Um ensino de excelência da Engenharia Química

Formar as futuras gerações de Engenheiros Químicos com uma sólida e abrangente capacidade técnica e com aptidões interpessoais desenvolvidas é...