Clínica Oftalmológica de Viana do Castelo conta com a colaboração de profissionais especializados em duas novas subspecialidades

A Clínica Oftalmológica de Viana do Castelo, localizada no centro da cidade, é uma unidade privada de saúde na área da oftalmologia. Rigor e rapidez são as premissas desta clínica dotada de excelentes profissionais e do mais moderno equipamento, sendo capaz de dar resposta a qualquer problema relacionado com a visão.

Perspetiva Atual: O corpo clínico da Clínica Oftalmológica de Viana do Castelo, da qual é diretor, conta com duas importantes colaborações: a Professora Sandra Guimarães – especialista em Oftalmologia Pediátrica; e o Dr. Sérgio Azevedo – especialista em Oftalmologia Geral e Glaucoma. O que motivou a integração destes profissionais na equipa?

João Marques: A Clínica Oftalmológica de Viana do Castelo é uma unidade privada de saúde, na área de oftalmologia, que visa ser capaz de dar resposta a qualquer problema relacionado com a visão. Sendo a oftalmologia uma especialidade em permanente evolução, com muitas subespecialidades, esta premissa consegue-se reunindo um conjunto de profissionais capazes. Cada um dedica-se, preferencialmente, a uma determinada área da oftalmologia, mas sempre numa dinâmica de complementaridade de modo a englobar toda a extensão da oftalmologia.

PA: Existiu algum processo de seleção para escolher os profissionais mais indicados para integrar a equipa? Se sim, quais foram os principais critérios avaliados e que características dos dois especialistas lhes garantiram os lugares disponíveis?

JM: Além da capacidade profissional que cada um destes elementos tem, e que lhes permite ser uma referência na sua área, valorizamos a parte humana. Esta conduz a um contacto mais próximo com o doente, mais humanizado e personalizado. Uma maior empatia que, no conjunto, nos vai permitir ser mais eficazes quer na avaliação, quer no tratamento dos nossos doentes e, assim, continuar a oferecer um serviço de excelência.

PA: Como é que a experiência e conhecimentos da Professora Sandra Guimarães e do Dr. Sérgio Azevedo agregam valor aos serviços oferecidos pela clínica?

JM: A Professora Sandra Guimarães dedica-se, essencialmente, à Oftalmologia Pediátrica. Esta é uma subespecialização da oftalmologia essencial, pois requer uma sensibilidade especial para as patologias das crianças, bem como uma abordagem radicalmente diferente de uma consulta de Oftalmologia de um adulto.

O Dr. Sérgio Azevedo tem como especial área de interesse o glaucoma, este constitui uma das patologias oftalmológicas mais prevalentes nesta região, a par das doenças da retina. A prevalência do glaucoma de ângulo aberto situa-se entre os 2% e os 4% na população acima dos 40 anos, o que o converte na segunda causa de cegueira em todo o mundo.

PA: Sobre a rotina e dinâmica da clínica, o que mudou com estes dois novos integrantes do corpo clínico?

JM: Aliando o saber clínico destes profissionais aos meios técnicos de que clínica dispõe, permite a intervenção precoce e a adoção dos tratamentos adequados e atempados nestas duas áreas.

Assim, o despiste de problemas refrativos (em particular a vigilância e o controlo do desenvolvimento da miopia na criança), da ambliopia ou do estrabismo constituem áreas de intervenção prioritária.  Na miopia, que pode afetar 20% dos jovens com menos de 18 anos, percentagem esta que está a aumentar, sabemos que, além da genética, os fatores ambientais têm um papel determinante no seu desenvolvimento, e a utilização prolongada da visão de perto.

É fundamental a sensibilização da opinião pública e, em particular, dos pais para estes fatores de risco, bem como para a necessidade do seu despiste precoce e a adoção de tratamentos que atrasem a sua progressão. Na ambliopia, geralmente associada a estrabismo ou a erros refrativos elevados ou assimétricos, nunca é demais realçar a importância do seu diagnóstico e tratamento precoces. Se não for detetada precocemente, pode ter como consequência uma baixa visão irrecuperável. Se verificada após os cinco anos, é, também, reduzida significativamente a taxa de sucesso do tratamento.

O Glaucoma é a segunda causa de cegueira irreversível a nível mundial. É necessário diagnosticar, avaliar a progressão e traçar um plano terapêutico para estes doentes. É uma consulta que necessita de tempo para estabelecer uma relação de confiança com o doente. Uma boa comunicação entre o médico e o doente vai permitir encontrar as respostas para todas as perguntas que o doente coloca na consulta e, desta forma, garantir o cumprimento da terapêutica adotada. É fundamental.

PA: Uma equipa abrangente é um fator importante para o desenvolvimento da clínica. De que forma é que a integração dos dois médicos tem contribuído para o crescimento e desenvolvimento da clínica?

JM: Estas patologias são muito frequentes e obrigam a uma intervenção precoce, permanente e continuada, bem como à sua monotorização, de forma a garantirmos uma adequada evolução. Deste modo, para além de uma avaliação clínica, é fundamental dispor dos meios técnicos de diagnóstico que nos permitam efetuar esse controlo, contando para isso, também, com a colaboração da Ortoptista Patrícia Pires.

Ao nível da tecnologia, o PlusOptix® – um autor-refratómetro portátil pediátrico – que, embora não sendo imprescindível, melhora a sensibilidade e especificidade dos índices em análise, contribuindo para a certeza do diagnóstico e a celeridade da consulta. Em meninos com multideficiências, este aparelho permite, por vezes, poupar uma ida ao bloco operatório. A Topografia/Aberrometria  (Sirius®) permite uma deteção precoce de ectasias corneanas, muitas vezes diagnosticadas como astigmatismos irregulares, a vigilância da sua progressão e a adoção atempada de tratamentos cirúrgicos, Cross-Linking ou Aneis estromais corneanos, que podem impedir a progressão para situações mais graves em que apenas a Queratoplastia (transplante de córnea) constitui a solução.

No glaucoma, o seguimento destes doentes passa pela vigilância da pressão intraocular, sendo que continua a ser o nosso objetivo terapêutico a sua redução, quer recorrendo a fármacos laser ou mesmo a cirurgia, para um valor que garantam a não progressão da doença. A monotorização dessa evolução passa por um seguimento funcional, onde se realça o papel essencial dos Campos Visuais (Humphrey® Field Analyzer Mod 745 i) para a deteção atempada da perda de campo visual, complementada por um seguimento das alterações estruturais através da Tomografia Ótica de Coerência (OCT Spectralis®), nomeadamente através do módulo específico – Glaucoma Premium Edition®- que no conjunto permitem a avaliação e deteção precoces da progressão da doença.

PA: Relativamente ao futuro, quais são as expectativas que tem para a Clínica Oftalmológica?

JM: A permanente atualização científica e técnica, a entrada de novos colaboradores, com o aprofundar de cuidados em áreas mais específicas da oftalmologia, bem como a aquisição de novos meios técnicos e equipamentos. Tal irá permitir manter o elevado padrão de oferta de cuidados de saúde oftalmológica que têm caracterizado a Clínica Oftalmológica de Viana do Castelo desde o primeiro momento.

Outra Perspetiva

Tradição aliada à Inovação nas Línguas, Literaturas e Culturas

O Departamento de Línguas, Literaturas e Culturas (DLLC) da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, reconhecido pela sua tradição...

Ciências do Desporto e Educação Física apostam na Investigação

A nova direção da Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física da Universidade de Coimbra (FCDEFUC) completou um ano...

Inovação e Excelência, um retrato do Departamento de Química

Em entrevista, Artur Valente, diretor do Departamento de Química da Universidade de Coimbra (DQUC) explica como os cursos pioneiros da...

Ensino de Vanguarda na Engenharia Mecânica

Disponibilizar uma oferta formativa universal, que seja capaz de tornar os alunos uma referência além-fronteiras, e continuar na linha da...

Um ensino de excelência da Engenharia Química

Formar as futuras gerações de Engenheiros Químicos com uma sólida e abrangente capacidade técnica e com aptidões interpessoais desenvolvidas é...