População do Alto Alentejo beneficia de cuidados de saúde de Proximidade

No Alto Alentejo, a saúde apresenta outras prioridades comparando com os grandes polos de urbanização. Com uma população reduzida, envelhecida e dependente, a Unidade Local de Saúde do Alto Alentejo (ULSAALE) foca-se num serviço ao domicílio e na prestação de cuidados de saúde de proximidade. Nesta entrevista à Perspetiva Atual, contamos com o testemunho de vários profissionais da equipa médica.

Perspetiva Atual: Comecemos por conhecer a vossa área de atuação. A ULS do Alto Alentejo cobre que unidades hospitalares e presta que serviços clínicos?

Joaquim Araújo – Presidente do Conselho de Administração: A ULSAALE assegura, praticamente, toda a prestação de cuidados de saúde do distrito de Portalegre, existindo polos de medicina privada, que realizam essencialmente consultas e MCDT (Meio Complementar de Diagnóstico e Terapêutica), sendo que a ULSAALE detém acordos com alguns deles para a realização de MCDT, existindo assim uma complementaridade.

“Pretendemos proporcionar aos utentes da ULSAALE os cuidados clínicos adequados, na altura certa e no local certo (…) mas privilegiando sempre o domicílio e a prestação de cuidados de saúde de proximidade.”

A ULSAALE é constituída por 2 unidades hospitalares (Portalegre e Elvas) e 16 centros de saúde (um em cada concelho do distrito, exceto Ponte de Sor que tem 2, Ponte de Sor e Montargil), abarcando uma área geográfica de aproximadamente 6.000 Km², com uma baixa densidade populacional e altos índices de envelhecimento e de dependência.

As condições sociogeográficas da instituição, contribuem negativamente na capacidade de atratividade de profissionais de saúde, situação esta que impacta transversalmente no desenvolvimento organizacional. A estrutura de custos da instituição é influenciada negativamente por todas estas condicionantes, verificando-se ainda uma grande dificuldade na obtenção de economias de escala.

A instituição, na sua matriz assistencial, encontra-se organizada numa estrutura departamental, existindo 7 departamentos assistenciais, 6 de âmbito hospitalar e 1 de cuidados de saúde primários, existindo ainda 2 serviços (consulta externa) e 5 unidades funcionais, que não dependem de nenhum departamento.

PA: Qual é o principal papel da ULS como instituição?

Joaquim Araújo: A Missão da ULSAALE, E.P.E. consiste na prestação integrada e personalizada de cuidados de saúde a todos os cidadãos, garantindo uma resposta adequada, de qualidade, em tempo útil, com rigor técnico-científico e com respeito pela dignidade humana. Promove a confiança dos colaboradores e utentes, na procura contínua de soluções que reduzam a morbilidade e permitam obter ganhos em saúde.

PA: Em contexto de investigação, que projetos se encontram em curso e para que tipo de tratamentos?

Joaquim Araújo: Temos uma quantidade muito elevada de projetos de investigação sob a tutela da nossa Divisão de Formação, Investigação e Documentação. Participámos e organizamos eventos científicos, dando corpo a este dinamismo na procura do conhecimento.

 PA: Falando da mais recente novidade: a Unidade Local de Saúde do Norte Alentejano passou a chamar-se ULS do Alto Alentejo. Que mudanças se fizerem sentir e quais os benefícios desta mudança de designação para os profissionais e utentes?

Joaquim Araújo: Para além da alteração da denominação propriamente dita, outras questões se punham, tendo sido e só possível com o processo de constituição das ULS e que decorreu em todo o país.

Apesar de ter sido estabelecido esta organização dos serviços por razões históricas (esta unidade local de saúde foi a segunda no país e a primeira de base distrital), o certo é que tal factualidade foi controversa e alvo de grandes constrangimentos, quer do ponto de vista formal, quer funcional, em termos de operacionalização e de articulação, complementaridade e efetividade da prestação de cuidados de saúde.

Importa ainda salientar que esta tipologia de organização não encontrava paralelo em qualquer outra Unidade Local de Saúde, tendo estas na sua organização, a responsabilidade pelas atividades de saúde pública, bem como o respetivo laboratório.

PA: Que tipo de abordagem clínica a ULS adota com os seus utentes?

Diretora Clínica dos Cuidados de Saúde Primários – Ana Briosa: A abordagem clínica que a ULSAALE adota com os seus utentes é a de integração de Cuidados de Saúde prestados pelos Hospitais e Centros de Saúde, de modo a otimizar o percurso dos doentes pelos diferentes níveis de cuidados. Pretendemos proporcionar aos utentes da ULSAALE os cuidados clínicos adequados, na altura certa e no local certo, seja ele o Centro de Saúde, o Hospital, as Unidades de Cuidados Continuados, Unidades de Paliativos, e até ERPI(s), mas privilegiando sempre o domicílio e a prestação de cuidados de saúde de proximidade. Sabemos que a fragmentação dos Cuidados de Saúde prejudica particularmente os idosos frágeis e os doentes com doença crónica, que têm o peso mais significativo na nossa população e uma relação intensa com o SNS, necessitando de diferentes especialistas e profissionais durante o seu percurso de vida.

 Apesar da carência de recursos humanos, com a saída e reforma de muitos profissionais, consideramos que o desempenho e os resultados em saúde que temos atingido são bons. Claro que queremos melhorar e contamos também com os recursos sociais e da comunidade que são imprescindíveis e que têm vindo a articular e a aprofundar essa articulação com a ULSAALE.

“(…) almejamos assegurar cuidados de proximidade numa região extensa, marcada por infraestruturas viárias deficientes e uma população com índices de envelhecimento e dependência entre os mais altos da Europa”

PA: Que tipo de abordagem clínica a ULS adota com os seus utentes?

Diretora Clínica Hospitalar – Vera Escoto: A Missão da ULS AALE, E.P.E. é a prestação integrada e personalizada de cuidados de saúde a todos os cidadãos, garantindo uma resposta adequada, de qualidade, em tempo útil, com rigor técnico-científico e com respeito pela dignidade humana, promovendo a confiança dos colaboradores e utentes, na procura contínua de soluções que reduzam a morbilidade e permitam obter ganhos em saúde.

No cumprimento da nossa missão e visão, almejamos assegurar cuidados de proximidade numa região extensa, marcada por infraestruturas viárias deficientes e uma população com índices de envelhecimento e dependência entre os mais altos da Europa.

 Desta forma é extremamente vulnerável e dependente do Serviço Nacional de Saúde (SNS), como o seu principal prestador de cuidados de saúde. Para cumprir sua missão e visão, a ULSAALE, E.P.E. orienta as suas ações com o propósito de alcançar os seguintes objetivos:

  • Contribuir para a obtenção de ganhos em saúde na população;
  • Promover a vigilância da saúde, a prevenção e o diagnóstico da doença e o tratamento e a reabilitação do utente, através do planeamento e da prestação de cuidados, bem como do desenvolvimento de atividades específicas dirigidas globalmente ao indivíduo, à família, a grupos especialmente vulneráveis e à comunidade;
  • Garantir a humanização dos cuidados e os direitos dos utentes; Promover o acesso e a adequação da oferta de serviços;
  • Assegurar a eficiência técnica e económica; Garantir a qualidade dos cuidados e da organização dos serviços;
  • Valorizar o capital humano, assegurando a formação contínua aos seus profissionais;
  • Assegurar a plena integração dos níveis de cuidados de saúde em todas suas dimensões;
  • Promover a inclusão do utente no processo da tomada de decisão dos cuidados de saúde adequados à situação clínica de cada um.

“Temos evoluído como equipa. Promovemos já a prestação de cuidados através de um processo clínico informatizado, cada vez com mais qualidade e coerência, o que melhora muito a partilha de informação clínica (…)”

PA: A ULS do Alto Alentejo promove e dinamiza diversas ações com os mais novos, alunos da área da saúde, idosos, entre outros utentes. Fale-nos um pouco destas ações e quais os seus principais objetivos.

Enfermeiro Diretor – Jorge Marques: A ULS, através das UCC que tem implementadas em todos os centros de saúde, desenvolve ações de promoção para a saúde, quer nas escolas, quer nas estruturas residenciais para pessoas idosas, quer noutras estruturas comunitárias. Essas ações visam o autocuidado e as atividades promotoras de estilos de vida saudável, e de prevenção da doença. Entre outras, desenvolvem-se ações de promoção da higiene oral, promoção do exercício físico, prevenção do tabagismo e do consumo de álcool e outras dependências, entre outras ações. As ações contam com as parcerias das entidades dentro dos estabelecimentos ou que fazem a sua gestão.

PA: Como é que descreveria a equipa de saúde e, de que forma, o seu trabalho tem contribuído para a evolução dos cuidados de saúde?

 Ana Briosa: A equipa de saúde da ULSA ALE é constituída por todo e qualquer funcionário desta ULS. São todos imprescindíveis para a prestação de bons cuidados de saúde e temos consciência que as instituições, os serviços e os profissionais a trabalhar isoladamente não conseguem cobrir as necessidades dos utentes. 

Os cuidados hospitalares e os cuidados de saúde primários têm vindo a desenvolver a partilha de conhecimentos e o trabalho conjunto, também a Saúde Pública e com a Rede Nacional de Cuidados Integrados.

Temos a noção que uma ULS não pode ser meramente a fusão entre instituições, tem de haver partilha de responsabilidades e recursos tanto humanos como materiais.  Temos evoluído como equipa. Promovemos já a prestação de cuidados através de um processo clínico informatizado, cada vez com mais qualidade e coerência que melhora muito a partilha de informação clínica, estamos a melhorar os critérios de referenciação entre diferentes níveis de cuidados e de profissionais, a tirar cada vez mais partido do potencial tecnológico e a prestar mais serviços de especialidade e meios complementares de diagnóstico descentralizados e de proximidade.

A Equipa de Saúde tem sido dinâmica e tem conseguido ultrapassar as resistências à mudança que são sempre normais e acontecem. Já somos Unidade Local de Saúde há muitos anos, mas o nosso objetivo é sermos dinâmicos, inovadores e melhorar.

“A prática da telemedicina e das teleconsultas foi sempre uma estratégia eficaz nesta instituição para melhorar o acesso aos cuidados de saúde (…)”

 Vera Escoto: A Visão da ULSAALE, E.P.E. consiste em ter uma imagem de excelência na área da saúde, no respeito pelo primado da complementaridade, em todos os níveis de cuidados de saúde, dada a sua multidisciplinaridade terá de promover a sua interdisciplinaridade para melhor cuidar.

 Em primeiro lugar a inovação:

– A prática da telemedicina e das teleconsultas foi sempre uma estratégia eficaz nesta instituição para melhorar o acesso aos cuidados de saúde, reduzindo os impactos da sua localização remota.

– A hospitalização domiciliaria, revolucionou o conceito tradicional de internamento, trazendo benefícios significativos para a saúde dos cidadãos e promovendo uma abordagem mais humanizada nos cuidados.

– A implementação das equipas comunitárias de saúde mental, cuidados paliativos assim como a descentralização das consultas hospitalares para os Centros de Saúde têm promovido uma maior proximidade no acesso aos cuidados de saúde mental. Isso traduz-se numa melhor integração dos profissionais de saúde dos diversos níveis de cuidados, garantindo cuidados mais próximos e eficazes às necessidades da comunidade.

– Somos parceiros colaborativos no Centro de Investigação do Alentejo (CTrail) facilitando a realização de projetos de pesquisa, estabelecendo uma ligação crucial entre os profissionais de saúde da ULS e a academia. Essa colaboração tem levado a uma expansão significativa do conhecimento e à retenção de profissionais qualificados na região.

– A ULSAALE, ao ser parceira da comissão instaladora para a criação do futuro curso de medicina da Universidade de Évora – denominado Alentejo M.D. – abrirá portas para a formação de jovens médicos desta região, onde anteriormente seria uma miragem pensar em alcançar tal objetivo. Essa colaboração é estimulante para os nossos profissionais, pois permite-nos colaborar como instituição parceira nas diferentes áreas letivas. Criamos uma vontade coletiva das várias ULS e a Universidade, estando convictos que no futuro fixará e captará jovens talentos que tanta falta fazem nesta região.

– Foi implementado um sistema de mensagens informativas por SMS, fornecendo atualizações sobre o estado do utente no pós-operatório e durante o atendimento no serviço de urgência, direcionadas aos familiares ou acompanhantes.

– Introdução de quiosques na área de consulta externa, visando garantir a confidencialidade das informações dos utentes. São dispositivos destinados à gestão das consultas e exames de forma autónoma pelos utentes.

Em segundo lugar, a melhoria do acesso aos cuidados hospitalares:

– Promoveu-se o aumento dos cuidados cirúrgicos ambulatórios que representa uma melhoria significativa no acesso aos serviços de saúde, tanto para condições clínicas benignas quanto malignas.

– Ampliação da variedade de consultas especializadas oferecidas aos utentes

– Otimização das listas de espera de consultas e cirurgias.

– A contratação de especialistas em áreas especificas, como psiquiatria infantil e anatomia patológica, ajudou a responder às necessidades dos utentes nestas áreas tão cadenciadas

– Instalação de novo equipamento de Ressonância Magnética (RM) no HDJMG. Esta medida contribui não só para melhorar os serviços oferecidos aos utentes em regime de internamento, mas também reforça a capacidade no atendimento dos utentes dos CSP.

PA: Que plano estratégico e objetivos a administração da ULSAALE definiu para este ano 2024?

Joaquim Araújo: A ULSALE, EPE, tal como outras instituições do SNS, aposta essencialmente na melhoria da oferta de serviços, com mais qualidade e segurança. Nesse sentido, tem para 2024, uma série de projetos, totalizando um investimento significativo em infraestruturas e tecnologia diferenciada que permita atingir estes objetivos. Concluímos recentemente a instalação de um equipamento de Ressonância, temos os projetos do Plano de Recuperação e Resiliência em curso, fomos recentemente reforçados com montantes significativos, nesse domínio, pela inclusão de novos centros de saúde e esperamos concluir, no final do ano, a nova Unidade de Cuidados Intensivos. Temos também investimentos e objetivos a atingir no que concerne a técnicas assistenciais e processos organizativo dos mesmos, abordagens muito diferenciadoras, não descurando a segurança e a realidade em que nos inserimos.

“(…) Se não fosse esta forma de prestação de cuidados proporcionada pelo modelo ULS, a resposta à pandemia de covid-19 no distrito de Portalegre teria sido outra, certamente menos favorável para as nossas populações.”

 PA: Como presidente do conselho de administração, o que perspetiva quanta a estas ULS e que futuro espera para a do Alto Alentejo?

Joaquim Araújo: Acreditamos muito nesta forma de resposta às necessidades de saúde! Nós fizemos aqui um trabalho significativo para que o projeto pudesse ter sucesso! Podemos acrescentar que, se não fosse esta forma de prestação de cuidados proporcionada pelo modelo ULS, a resposta à pandemia de covid-19 no distrito de Portalegre teria sido outra, certamente menos favorável para as nossas populações. O facto de sermos uma Unidade Local de Saúde permitiu que a estratégia de combate a implementar tivesse sido mais efetiva, minorando as suas consequências.

Contudo, antes da crise da COVID-19 ter surgido, nós já registávamos uma boa articulação entre os vários tipos de cuidados, apoiando-nos em soluções baseadas em tecnologias de informação. A abordagem, quer assistencial quer medicamentosa, alterou-se de forma significativa, permitindo em diversas patologias uma melhor resposta, mais robusta e segura, a oferta de cuidados de proximidade, a internalização de meios de diagnóstico e a segurança na prescrição foram ganhos que não podemos desprezar.

Deixe um comentário

Outra Perspetiva

Tradição aliada à Inovação nas Línguas, Literaturas e Culturas

O Departamento de Línguas, Literaturas e Culturas (DLLC) da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, reconhecido pela sua tradição...

Ciências do Desporto e Educação Física apostam na Investigação

A nova direção da Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física da Universidade de Coimbra (FCDEFUC) completou um ano...

Inovação e Excelência, um retrato do Departamento de Química

Em entrevista, Artur Valente, diretor do Departamento de Química da Universidade de Coimbra (DQUC) explica como os cursos pioneiros da...

Ensino de Vanguarda na Engenharia Mecânica

Disponibilizar uma oferta formativa universal, que seja capaz de tornar os alunos uma referência além-fronteiras, e continuar na linha da...

Um ensino de excelência da Engenharia Química

Formar as futuras gerações de Engenheiros Químicos com uma sólida e abrangente capacidade técnica e com aptidões interpessoais desenvolvidas é...