Investigadoras do GRAQ concentradas na proteção do meio ambiente

Grupo de Reação e Análises Químicas (GRAQ) da REQUIMTE – Laboratório Associado para a Química Verde, Instituto Superior de Engenharia do Porto, P. PORTO

cmm@isep.ipp.pt

Site do projeto: http://www.graq.isep.ipp.pt/
https://laqv.requimte.pt/

O Grupo de Reação e Análises Químicas (GRAQ), pertencente ao Laboratório Associado para a Química Verde (LAQV) – Rede de Química e Tecnologia (REQUIMTE), desenvolve a sua atividade no Instituto Superior de Engenharia do Porto (ISEP), Instituto Politécnico do Porto (P. PORTO), na área das Ciências do Ambiente.

O GRAQ procura responder aos desafios atuais de avaliação do estado do ambiente e da sua preservação através da procura de técnicas de reabilitação de águas e solos, do efeito da qualidade do ambiente na saúde da população e da garantia da segurança alimentar, tendo sempre presente os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. A equipa tem fortes competências no domínio da Química Analítica, desde a amostragem, preparação de amostras e análise química, recorrendo a técnicas cromatográficas, espetrofotométricas e eletroquímicas.

No domínio da água, vários são os projetos financiados, finalizados ou em curso. A monitorização de poluentes (pesticidas, fármacos, microplásticos, etc.) e a sua eliminação de águas residuais através de técnicas de oxidação avançada são temas em desenvolvimento, tendo presente a conservação e restauro de ecossistemas aquáticos. Recentemente, o GRAQ, através da REQUIMTE-LAQV e do P. PORTO, integrou o Laboratório Colaborativo (CoLAB) Water-driven Collaborative laboratory for Resilient communities (Water Co-Re CoLaB) cujo principal objetivo é o desenvolvimento de soluções inovadoras com interesse para todas as entidades envolvidas no ciclo natural da água.

Toda a atividade de investigação insere-se no Laboratório Associado para a Química Verde – Tecnologias e Processos Limpos – UIDB/50006/2020, que conta com o apoio financeiro da FCT/MCTES através de fundos nacionais.


BioFirEx – Um painel de (bio)marcadores para a vigilância da saúde e da segurança do bombeiro

Investigadora Responsável: Simone Morais

sbm@isep.ipp.pt

Website do projeto: https://www.isep.ipp.pt/Page/ViewPage/BioFirExPaginaPrincipal

É de conhecimento geral que Portugal tem sido severamente afetado por fogos. Os bombeiros estão sempre na linha da frente do combate a este flagelo protegendo a população, os bens, a vegetação e não só, porém encontram-se entre os grupos menos estudados no que respeita à exposição a poluentes e à sua relação com doenças ocupacionais. Assim, o projeto BioFirEx “Um painel de (bio)marcadores para a vigilância da saúde e da segurança do bombeiro” caracteriza a exposição dos bombeiros a poluentes gerados durante os incêndios florestais através da monitorização (ar inalado) e biomonitorização (urina, sangue, e outros fluidos biológicos), avaliando os possíveis riscos para a saúde. Este projeto envolve cerca de 250 bombeiros de diversas corporações do Nordeste Transmontano e conta com o apoio de municípios e de diversas associações regionais de proteção florestal. Os bombeiros participantes são avaliados regularmente durante 2 anos consecutivos em três fases: pré-exposição, exposição, e pós-exposição a fogos florestais. Os objetivos finais consistem na identificação de um conjunto de (bio)marcadores apropriados para a vigilância da exposição ocupacional e da saúde e segurança destes profissionais, e na elaboração de uma lista de recomendações e boas práticas. Este projeto pretende, assim, contribuir não só para a melhoria das estratégias de prevenção de doenças ocupacionais, como também para a implementação de medidas de segurança e higiene neste setor.

O BioFirEx é liderado pelo REQUIMTE-LAQV-Instituto Superior de Engenharia do Porto e resulta de uma parceria multidisciplinar com a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil, a Unidade Local de Saúde Pública do Nordeste do Ministério Português da Saúde, a Escola Superior de Saúde do Instituto Politécnico de Bragança, o Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto e a Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto.

O projeto (ref. PCIF/SSO/0017/2018) é exclusivamente financiado por Fundos Nacionais sendo suportado pelo orçamento da Fundação para a Ciência e a Tecnologia na sua componente OE.


4FirHealth – Exposição ocupacional no combate a incêndios e efeitos precoces na saúde das forças operacionais

Investigadora Responsável: Marta Oliveira

marta.oliveira@graq.isep.ipp.pt

Site do projeto; https://www.isep.ipp.pt/Page/ViewPage/FirHealth

A atividade de um bombeiro é complexa e exige capacidade para desempenhar inúmeras tarefas, incluindo o combate aos incêndios, o que implica a exposição a vários riscos para a saúde física e mental. Em junho de 2022, a Agência Internacional para Investigação em Cancro classificou a exposição ocupacional como bombeiro como sendo carcinogénica para o Homem. Foi demonstrada evidência científica suficiente para o desenvolvimento de mesotelioma e cancro da bexiga em bombeiros, sendo limitada a evidência para o cancro do cólon, próstata e testículos, melanoma e linfoma não Hodgkin. A forte evidência mecanística demonstrou que esta exposição é genotóxica, modula efeitos mediados por vários recetores e induz alterações epigenéticas, stress oxidativo e inflamação crónica.

O projeto 4FirHealth-Exposição ocupacional no combate a incêndios e efeitos precoces na saúde das forças operacionais avalia o impacto das emissões dos fogos florestais e urbanos na saúde dos bombeiros, recorrendo a ensaios de (bio)monitorização e ensaios celulares in vitro para determinar a citotoxicidade causada na pele e nos tecidos respiratórios e intestinais. Cerca de 200 bombeiros de 15 Corporações do Distrito do Porto participam atualmente no projeto. O conhecimento gerado visa contribuir com o aprimoramento de medidas de segurança e de proteção ocupacionais já implementadas. Recentemente, a equipa de investigação demonstrou a presença de vários hidrocarbonetos aromáticos policíclicos, compostos com propriedades mutagénicas, tóxicas e/ou carcinogénicas, na pele de bombeiros após participação em atividades de combate ao incêndio.

O 4FirHealth é liderado por investigadores do REQUIMTE-LAQV-Instituto Superior de Engenharia do Porto em parceria com a Cooperativa de Ensino Superior Politécnico Universitário e conta com o suporte da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (Comando nacional/Comando distrital) e a colaboração de investigadores Australianos (Universidade de Queensland).

O projeto (ref. PCIF/SSO/0090/2019) é exclusivamente financiado por Fundos Nacionais sendo suportado pelo orçamento da Fundação para a Ciência e a Tecnologia na sua componente OE.


Honey+ – Novas estratégias para valorizar o mel do Parque Natural de Montesinho: um bioindicador da qualidade ambiental e o seu potencial terapêutico

Investigadora Responsável: Cristina Delerue-Matos

cmm@isep.ipp.pt

Website do projeto: https://www2.isep.ipp.pt/honey/index.php?page=inicio

O projeto Honey + – Novas estratégias para valorizar o mel do Parque Natural de Montesinho: Um bioindicador da qualidade ambiental e o seu potencial terapêutico teve início em agosto de 2021. Honey+ pretende agregar valor a um produto alimentar tradicional, explorando novas potencialidades do mel, para além do seu valor nutricional. Os dois principais objetivos deste projeto são: 1) gerar novos conhecimentos sobre o mel produzido no Parque Natural de Montesinho (PNM) de forma a servir como bioindicador da qualidade ambiental. Para isso, estão a ser avaliadas diferentes classes de poluentes ambientais no mel de colmeias pré-definidas e, paralelamente, no ar, solo, recursos hídricos e plantas, envolventes a essas colmeias; 2) explorar o potencial terapêutico e farmacológico do mel produzido no PNM medindo a atividade de cicatrização de feridas através de ensaios in-vivo (modelo de infeção diabética e úlcera em ratos). Ao mesmo tempo, a concentração in-vivo para inibir o crescimento de bactérias patogénicas também será estabelecida.

Integrando todo o conhecimento que está a ser gerado durante o projeto Honey+, será possível identificar os melhores locais e práticas de produção, criando um banco de dados para critérios de qualidade relacionados com a produção de mel.

Este projeto apresenta uma equipa multidisciplinar de investigadores com fortes competências em química analítica, biologia molecular, ciência e tecnologia alimentar, farmacologia e microbiologia e é liderado pela REQUIMTE-LAQV-Instituto Superior de Engenharia do Porto em parceira com a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Universidade de Vigo e a Associação de Apicultores do PNM.

Um dos pontos-chave deste projeto relaciona-se com a realização de workshops, para apicultores e agricultores, por forma a sensibilizá-los para o efeito dos poluentes na apicultura e por consequência na manutenção de espécies, de plantas e de animais. 

O projeto (MTS/SAS/0077/2020) é financiado pela FCT/MCTES através de fundos nacionais (Portugal).

Deixe um comentário

Outra Perspetiva

Crise nas Urgências: Ministro da Saúde Admite Precisar de Mais Tempo para Reorganização dos Serviços

Durante visita ao Hospital da Prelada, no Porto, o ministro da Saúde, Manuel Pizarro, reconheceu, nesta segunda-feira, a necessidade de...

Papel da Sociedade Portuguesa de Cardiologia na saúde cardiovascular do século XXI 

A Cardiologia em Portugal enfrenta vários desafios, desde as longas listas de espera para consultas e cirurgias até à escassez...

Medicina Genómica: O Futuro Personalizado da Saúde

A medicina genómica pretende mudar a forma como encaramos a saúde. O objetivo é a possibilidade de vir a oferecer...

Sanfil Medicina 70 Anos: A Humanização da saúde “é uma forma natural de ser e de agir” 

Com a missão de cuidar do utente, para recuperar e reabilitar, a Sanfil Medicina tem centrado a sua ação na...

SPEDP: Na linha da frente do controlo da Diabetes Infantil 

Com uma missão dedicada à saúde das crianças, a Sociedade Portuguesa de Endocrinologia e Diabetologia Pediátrica (SPEDP) tem desempenhado um...