Ana Morête - Presidente da SPAIC

“Envolvimento, Conhecimento e Continuidade”: A perspetiva da nova presidente da SPAIC

Com vontade de “renovar e impor um cunho diferente”, a anterior Vice-Presidente da Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica – SPAIC, Ana Morête assumiu, pela primeira vez, neste mês de dezembro, o cargo de Presidente da Sociedade.

Perspetiva Atual: Durante a 43ª Reunião Anual da SPAIC – que decorreu entre os dias 6 e 9 de outubro – foi eleita Presidente da Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica, sendo que anteriormente ocupava o cargo de Vice-Presidente. Que motivo a levou a candidatar-se agora ao lugar de Presidente?

Ana Morête: Desde 2014 que sou membro da Direção da SPAIC, integrando três mandatos consecutivos, um como Secretária Adjunta e dois como Vice-Presidente, o que traduz a minha dedicação pessoal e profissional à Imunoalergologia. A presidência surgiu naturalmente, numa perspetiva de envolvimento, conhecimento e continuidade de todas as nossas atividades e também numa necessidade de renovar e impor um cunho diferente, sustentado numa nova equipa, sempre baseada na comunicação ativa com todos os sócios.

PA: Ao assumir um cargo mais elevado, é natural que o peso da responsabilidade também aumente. Apesar do pouco tempo que passou desde a sua eleição, quais são as principais diferenças que já sente entre ser Vice-presidente e Presidente da SPAIC?

AM: À data de hoje, a SPAIC tem uma série de projetos e atividades a decorrer, sempre regidos pelos mais elevados padrões científicos, princípios de confiança, respeito mútuo e total transparência entre os membros da Direção, em comunicação direta com os Grupos de Interesse da SPAIC e com os sócios. Assim, o peso da responsabilidade, embora grande, é sustentado pelas linhas de ação estratégicas já definidas e nas quais eu já estava totalmente envolvida.

PA: Chegou com vontade de dar continuidade ao caminho da direção anterior, da qual também fazia parte, ou com um desejo maior de mudança?

AM: Nos últimos anos, a nossa Sociedade tem tido uma expansão e reconhecimento assinaláveis e estamos conscientes que a SPAIC tem que continuar a ser um motor de inovação para a melhoria contínua do desenvolvimento científico-profissional dos associados, de acordo com os seus diferentes perfis e considerando as tendências atuais. Considero a mudança e a renovação essenciais para a vitalidade de uma Sociedade médica, adaptando-nos sempre aos constantes desafios da sociedade em geral e da comunidade médica e científica em particular.

PA: Quais são os principais objetivos e planos que gostaria de realizar durante este mandato?

AM: O nosso principal objetivo é a potenciação do crescimento e notoriedade da SPAIC, fomentando a participação de todos os associados, no sentido de aumentar o empoderamento e prestígio da Sociedade. Que todos os sócios, individualmente, se sintam parte integrante da vida da SPAIC e que o seu envolvimento acrescente valor.

Temos também como uma das principais linhas de ação o investimento nas parcerias com sociedades congéneres, quer a nível nacional quer internacional, fomentando alianças estratégicas, investigação em rede e organização de reuniões conjuntas.

Queremos manter o estímulo à participação dos jovens em todas as atividades da SPAIC, fomentando a sua presença dentro da nossa Sociedade e aumentando as oportunidades internacionais. Queremos também consolidar o modelo de comunicação digital e mediático da SPAIC, promovendo a presença nas redes sociais da Sociedade e posicionado a SPAIC como referência em matéria de Alergologia. E entre outros planos, pretendemos continuar a colaborar com as associações de doentes com patologia imunoalérgica, respondendo às necessidades formativas, aumentando a literacia em saúde e promovendo ações e reuniões conjuntas.

PA: Voltando ao assunto da 43ª Reunião Anual da SPAIC, qual é o balanço que faz destes quatro dias?

AM: A 43ª Reunião Anual da SPAIC, com o tema “O doente alérgico no centro dos cuidados”, contou com o maior número de inscritos de sempre, 501 participantes, integrando o programa 122 palestrantes, sendo 12 destes estrangeiros. O programa científico incluiu quatro cursos temáticos, sete simpósios, oito mesas redondas, seis workshops, cinco meet the professor lunch e o sunset meeting, bem como uma ação de formação dirigida às equipas de Saúde escolar, com o tema “Alergia alimentar e anafilaxia nas escolas”, que contou com a participação de enfermeiros provenientes da zona Norte do país. A produção científica englobou a apresentação dos 89 trabalhos, distribuídos por nove sessões: quatro sessões de comunicações orais, três de pósteres e dois de casos clínicos. 

Foram dias de árduo trabalho, fortemente participados, suportados num Programa Científico de elevadíssima qualidade, o que denota a vitalidade e qualidade da nossa Sociedade. O balanço final é positivíssimo e dá-nos estímulo para continuar a fazer mais e melhor.

PA: Tem algum tema ou convidado que gostaria de destacar ou até de repetir num dos próximos congressos que irá organizar?

AM: É muito difícil, para mim, destacar um momento, participante ou tema que se tivesse destacado. O nosso Programa Científico foi elaborado tendo em conta as sugestões enviadas pelos Grupos de interesse da SPAIC, o nosso motor na comunicação com os associados. Esperamos continuar sempre nas nossas reuniões a ter o doente alérgico no centro dos nossos cuidados e considero também que será importante em reuniões futuras destacar a multidisciplinaridade, investindo na parceria com outras especialidades de fronteira, para uma abordagem mais completa do doente alérgico.

Deixe um comentário

Outra Perspetiva

População do Alto Alentejo beneficia de cuidados de saúde de Proximidade

No Alto Alentejo, a saúde apresenta outras prioridades comparando com os grandes polos de urbanização. Com uma população reduzida, envelhecida...

Global Health Company: A cuidar da nossa Saúde e Bem-Estar

Com uma abordagem inovadora e centrada no paciente, a Global Health Company (GHC) tem- se destacado na prestação de serviços...

A primeira Unidade Local de Saúde faz 25 anos

A Unidade Local de Saúde de Matosinhos (ULSM) foi criada em 9 de junho de 1999, era então Ministra da...

A inovação em saúde ao serviço do utente

Criado em 2021, o Centro Académico Clínico – Egas Moniz Health Alliance (EMHA) é composto pela Universidade de Aveiro e...