Oferta de Alojamento Escasso e com Preços Demasiado Elevados para Estudantes nas Grandes Cidades

A situação do alojamento para estudantes nas cidades de Lisboa e Porto permanece desafiante, com o preço médio de um quarto a ultrapassar os 400 euros. Além disso, de acordo com dados divulgados pelo Observatório do Alojamento Estudantil, a disponibilidade de opções no setor privado é insuficiente para atender à demanda crescente de estudantes universitários.

O Observatório, que monitoriza diariamente a oferta privada de alojamento para estudantes em todo o país, revelou que apenas 1.409 quartos estavam disponíveis para arrendamento em Lisboa e no Porto no início do período de matrículas para os quase 50 mil alunos que foram colocados na primeira fase do Concurso Nacional de Acesso ao Ensino Superior.

Na capital, onde a chegada de novos alunos é mais significativa anualmente, os custos de arrendamento são mais elevados. Os dados do Observatório indicam que alugar um quarto em Lisboa pode variar entre 190 e 620 euros, com um preço médio de 450 euros.

Diversas zonas da cidade apresentam preços acima da média, com destaque para freguesias como Benfica (575 euros), Areeiro (487 euros), Santo António (478 euros) e Avenidas Novas (475 euros).

O preço também aumenta para quartos mobilados (mais 32 euros), com cozinhas equipadas (mais 29 euros) ou quando as despesas estão incluídas na renda (mais 30 euros).

No entanto, a oferta privada de quartos em Lisboa, que conta com apenas 763 unidades identificadas pela plataforma, está substancialmente abaixo da procura, conseguindo satisfazer somente 5% dos quase 14 mil alunos alocados a universidades e institutos politécnicos da cidade.

O cenário é semelhante no Porto, onde os 656 quartos disponíveis podem acomodar cerca de 7% dos 8.489 novos estudantes. As rendas no Porto variam entre 200 e 672 euros. Atualmente, o preço médio de um quarto na cidade “Invicta” situa-se nos 430 euros.

Na cidade de Coimbra, que é conhecida por ser um polo estudantil, o preço médio de um quarto é de cerca de 240 euros para o atual ano letivo. No entanto, a oferta também não é suficiente para todos, havendo apenas 465 quartos livres. Em Aveiro, outra cidade que recebe um grande número de alunos, a renda média é de 320 euros, mas somente 86 quartos estavam disponíveis no momento da análise.

Para além das opções privadas, os estudantes também podem recorrer a residências públicas, cuja oferta será ampliada em breve através do Plano Nacional para o Alojamento no Ensino Superior. Este plano prevê a requalificação e construção de novas residências universitárias. A ministra da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior anunciou que, até o final do próximo ano, mais oito residências universitárias serão concluídas, adicionando 1.142 camas à oferta.

Deixe um comentário

Outra Perspetiva

População do Alto Alentejo beneficia de cuidados de saúde de Proximidade

No Alto Alentejo, a saúde apresenta outras prioridades comparando com os grandes polos de urbanização. Com uma população reduzida, envelhecida...

Global Health Company: A cuidar da nossa Saúde e Bem-Estar

Com uma abordagem inovadora e centrada no paciente, a Global Health Company (GHC) tem- se destacado na prestação de serviços...

A primeira Unidade Local de Saúde faz 25 anos

A Unidade Local de Saúde de Matosinhos (ULSM) foi criada em 9 de junho de 1999, era então Ministra da...

A inovação em saúde ao serviço do utente

Criado em 2021, o Centro Académico Clínico – Egas Moniz Health Alliance (EMHA) é composto pela Universidade de Aveiro e...