O papel de excelência do GreenUPorto na I&D em Produção Agroalimentar Sustentável

Como o primeiro centro de Investigação português focado na cadeia de valor da horticultura, o GreenUPorto, Centro de Investigação em Produção Agroalimentar Sustentável, tem como missão contribuir para o desenvolvimento científico e tecnológico e transferência de conhecimento no setor agroalimentar e ambiental.

Desde 2020 que a I&D em Portugal conta com um centro de investigação especialmente focado na cadeia de valor da horticultura: o GreenUPorto. Integrado na Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (FCUP), na sua missão enquanto Unidade de Investigação e Desenvolvimento, o centro tem como objetivos a promoção da especialização inteligente e da sustentabilidade nos setores agronómico, alimentar e ambiental, através da integração e transferência de resultados de investigação de alto nível, e do contributo para a formação pós-graduada da nova geração de profissionais no setor.

Acolhendo um elevado número de estudantes em ciências agrárias, biologia ou ambiente, em colaboração com a FCUP, o GreenUPorto contribui para o rejuvenescimento do mercado de trabalho na área agroalimentar através da formação especializada, sob a perspetiva de “produzir mais com menos” (água, fertilizantes, pesticidas), e de produzir produtos diferenciados com elevado valor acrescentado e grande competitividade em mercados externos altamente exigentes.

No cumprimento da sua missão, o GreenUPorto procura estabelecer uma forte interação com um leque alargado de stakeholders e autoridades públicas regionais, nacionais e europeias, na contribuição para a implementação das políticas públicas e de estratégias na promoção do setor. Neste contexto, desde 2022 que o GreenUPorto aliado ao CITAB – Centro para a Investigação e Tecnologia das Ciências Agro-ambientais e Biológicas (UTAD) integra o Laboratório Associado Inov4Agro – Instituto de Inovação, Capacitação e Sustentabilidade da Produção Agroalimentar (https://Inov4Agro.pt), reconhecido pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia, visando um papel interventivo na região Norte do país, suavizando desigualdades regionais entre o litoral do país e os territórios de baixa densidade do interior.

Reconhecimento tangível e intangível

Comprovando a relevância do GreenUPorto para o setor, o reconhecimento dos nossos trabalhos tem crescido, o que nos garante lugar em consórcios de renome, nacionais e europeus, liderados por reconhecidos centros de investigação. Tem sido reforçada a capacitação das nossas infraestruturas e equipamentos, e aumentada a nossa rede de parcerias internacionais e com produtores e atores do tecido empresarial. Mas queremos chegar ainda mais longe, assumindo um papel cada vez mais ativo nas decisões políticas nacionais e europeias.

As atividades de I&D do GreenUPorto, no seio de uma equipa multidisciplinar de investigadores que inclui agrónomos, biólogos, engenheiros alimentares e nutricionistas com fortes valências em áreas relevantes para o setor, como biologia e fisiologia das plantas, biotecnologia, avaliação e proteção da qualidade ambiental, avaliação de risco de solos contaminados e de novos compostos químicos, avaliação de preferências do consumidor, entre outras, revelam a qualidade do centro, a par da classificação de ”Excelente” atribuída pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT).

 Um propósito: agricultura mais sustentável

A investigação do GreenUPorto organiza-se em três linhas temáticas: Linha 1 – Biologia das Plantas, Produção e Pós-colheita; Linha 2 – Qualidade Ambiental e Avaliação de Risco, e Linha 3 – Processamento, Valorização, Consumo e Nutrição Humana. Nas diferentes linhas, o GreenUPorto trabalha, em conjunto com vários parceiros, no intuito da transição para uma agricultura mais sustentável, através de projetos de investigação que contribuem para a sustentabilidade da produção agroalimentar nas suas três vertentes: ambiental, económica e social.

Como exemplo de projetos em curso, destacamos o “BFree – Biocontrolo de frutos e de legumes” (PRR). Liderado pelo GreenUPorto, visa explorar o papel dos microrganismos endófitos (naturalmente presentes nos tecidos vegetais) como agentes de biocontrolo, de modo a reduzir a aplicação de fungicidas de síntese em frutas e legumes, melhorando a qualidade dos produtos e reduzindo o impacte ambiental. O seu consórcio integra o INIAV, COTHN-CC, FNOP e Proenol, a par de 10 Organizações/ Produtores /Produtores Individuais nacionais.

O projeto “ProCardo: Caracterização das proteinases aspárticas de Cardo na promoção do queijo da Serra” (Promove BPI-La Caixa) pretende aprofundar o conhecimento dos processos bioquímicos e moleculares na produção do queijo da Serra da Estrela, que depende da utilização de enzimas obtidas a partir de flores de cardo, e cuja compreensão do comportamento é relevante dado o seu papel na textura e sabor deste queijo, um produto marcadamente nacional e reconhecido mundialmente.

No desenvolvimento de estratégias para responder às alterações climáticas, o projeto “CC&NUTS: Castanheiro vs Alterações Climáticas” (PROMOVE, FCT, BPI, Fundação “la Caixa”), liderado pelo GreenUPorto e FCUP, e com colaboração da UTAD, Instituto Politécnico de Bragança (IPB) e DEIFIL, pretende testar diferentes variedades de castanheiro do Parque Natural de Montesinho sob condições de secura e calor, de modo a selecionar as que têm maior potencial para se adaptarem às alterações climáticas.

Ainda na linha de alterações climáticas, o projeto PHENET (https://www.phenet.eu/en): Tools and methods for extended plant PHENotyping and EnviroTyping services of European Research Infrastructures (HORIZON-INFRA-2022-TECH-01-01, ref. 101094587), coordenado pelo INRAE (França) e com 29 parceiros europeus, visa a transição para a agroecologia, resiliente às alterações climáticas. Este projeto conta com o suporte de infraestruturas europeias, que suportam diferentes casos de estudo. O GreenUPorto, em colaboração com a Universidade de Boku (Áustria), integra atividades na validação da utilização de um sensor portátil para quantificar de carbono orgânico no solo em profundidade, e fenotipagem de raízes.

O projeto europeu WheatBiome (HORIZON-CL6-2022- -FARM2FORK-01-09, ref. 101084344) (https://www. wheatbiome-project.eu/) visa a compreensão da relação entre microbioma do solo/ rizosfera/ planta, e a qualidade do grão produzido. Nas tarefas coordenadas pelo GreenUPorto inclui-se o estudo do efeito dos tipos de solo, práticas agrícolas e variedades de trigo, no microbioma do solo e da planta, a par do estabelecimento de um consórcio de microrganismos capaz de melhorar o desempenho da planta (e.g. em solos pobres) e a qualidade do trigo.

Ligado à transição para um comportamento alimentar saudável, o projeto “MEDDIETMENUS4CAMPUS: Promoting Stakeholder Adherence To Mediterranean Diet In Campus Through Social Marketing Strategies” (PRIMA) conta com parceiros em Espanha, Croácia e Turquia, e reúne especialistas em nutrição, saúde pública, alimentação, tecnologia alimentar, gastronomia, psicologia e marketing, no objetivo de identificar a conformidade dos menus servidos nas cantinas de estabelecimentos de ensino superior públicos com a Dieta Mediterrânica, identificando oportunidades de intervenção.

Além das fronteiras europeias, participamos no projeto europeu VITAGLOBAL, visando a transferência de conhecimento na área da Vitivinicultura e do Enoturismo de universidades europeias para universidades da Argentina, Chile, Uruguai, África do Sul e Geórgia. É a integração do GreenUPorto em consórcios e projetos deste tipo que nos permite manter na linha da frente da inovação europeia no setor.

Capacitação e fixação de profissionais do setor

 Na aposta pela capacitação de profissionais no setor, o GreenUPorto tem desenvolvido formações, como é exemplo o curso ”Capacitação para uma Gestão Sustentável do Solo” (https://edc.fc.up.pt/fc/capacitacao- -para-uma-gestao-sustentavel-do-solo/), com candidaturas abertas neste momento. Integramos ainda o projeto AgriFood4Future (ERASMUS+), com o objetivo de desenvolver programas de formação profissional e educacional que atendam às necessidades da agricultura do futuro. No projeto, estamos a organizar a constituição de um COVE (Center of Vocational Excelence) nacional, juntamente com o Laboratório Colaborativo Food4Sustainability, ISQ, e BGI, com vista ao levantamento das necessidades de formação e planeamento de conteúdos educativos.

Autor: Miguel Santos, investigador GreenUPorto

Como perspetivas para o futuro, o GreenUPorto pretende dar continuidade ao cumprimento da sua missão e objetivos, cimentando a excelência nas suas atividades de I&D, através do significativo envolvimento com a sociedade e captação de mais projetos, estudantes e investigadores, estando o GreenUPorto a analisar todas as possibilidades na fixação de investigadores de carreira. Serão ainda continuadas as atividades do LA Inov4Agro, em conjunto com o CITAB. Tendo em conta o atual processo de avaliação das Unidades de I&D nacionais pela FCT, o GreenUPorto estará também focado em consolidar a classificação de Excelente anteriormente atribuída.

Saiba mais sobre o GreenUPorto, os nossos projetos e iniciativas, seguindo-nos nas redes sociais e website www.fc.up.pt/GreenUPorto/, ficando desde já o nosso convite para que tome parte ativa nos mesmos!

Deixe um comentário

Outra Perspetiva

População do Alto Alentejo beneficia de cuidados de saúde de Proximidade

No Alto Alentejo, a saúde apresenta outras prioridades comparando com os grandes polos de urbanização. Com uma população reduzida, envelhecida...

Global Health Company: A cuidar da nossa Saúde e Bem-Estar

Com uma abordagem inovadora e centrada no paciente, a Global Health Company (GHC) tem- se destacado na prestação de serviços...

A primeira Unidade Local de Saúde faz 25 anos

A Unidade Local de Saúde de Matosinhos (ULSM) foi criada em 9 de junho de 1999, era então Ministra da...

A inovação em saúde ao serviço do utente

Criado em 2021, o Centro Académico Clínico – Egas Moniz Health Alliance (EMHA) é composto pela Universidade de Aveiro e...