Entre a Tradição e a Inovação no Ensino Jurídico

A Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra (FDUC) mantém viva a tradição de excelência e rigor que a caracteriza há séculos, adaptando-se à volatilidade do mundo jurídico contemporâneo. De acordo com Jónatas Machado, a instituição forma estudantes bem preparados para os desafios atuais, oferecendo uma oferta formativa completa e diferenciada que abre portas para uma ampla gama de saídas profissionais.

Perspetiva Atual (PA): Indubitavelmente, a Faculdade de Direito é uma das instituições com mais tradição da Universidade de Coimbra, do país, e até mesmo da Europa. Assim, considerando a herança prestigiante da FDUC, como é que o passado influencia os princípios e metodologias educativas que a Faculdade transmite aos alunos no presente?

Jónatas Machado (JM): Queremos continuar a manter os critérios de rigor e excelência que sempre nos têm caraterizado. Honrar a memória dos nossos mestres, da nossa tradição, cultura e história significa hoje continuar a estar no pelotão da frente no ensino e na investigação do direito e da administração. Isto não é fácil, embora seja entusiasmante. Tendo em conta as mudanças que ocorrem aceleradamente, é necessário estar sempre a inovar e a adaptar. Mas sem perder o norte: servir a pessoa humana continua a ser a nossa bússola orientadora.

PA: De que forma os cursos estão adaptados às tendências e evoluções do campo jurídico, preparando os estudantes para os desafios contemporâneos da profissão?

JM: Como tem sido a sua marca de sempre, a FDUC continua de olhos bem abertos em relação aos problemas que a pessoa, a sociedade e o ambiente colocam ao Direito e à Administração pública e privada. Estamos perante um mundo em mutação histórica acelerada, que demanda respostas jurídicas novas e criativas, tanto na dimensão ética-jurídica como na dimensão técnico- jurídica. Queremos continuar a ser um polo autónomo de excelência na reflexão sobre os grandes temas jurídicos da atualidade, contribuindo para que o direito continue a servir a vida, a realização autêntica da pessoa humana. Este desiderato implica que a formação de juristas integrais continue a ser um dos objetivos cimeiros da FDUC, o que obriga a uma grande preocupação com o conteúdo e os métodos acolhidos no nosso ensino. De um modo participado e responsável, queremos preservar um espaço onde professores e alunos estudem livremente as questões jurídicas suscitadas na sociedade hodierna. Por isso, no século XXI, continuaremos, certamente, a formar alunos com conhecimentos aprofundados do direito, mas onde também estará incluída uma vertente do ensino orientada para que os nossos estudantes aprendam a pensar o direito, fornecendo-lhes os quadros jurídicos básicos para enfrentar as constantes mudanças dos regimes jurídicos.

PA: Muitas vezes, ao falar de Faculdades de Direito, as pessoas assumem que apenas formam advogados. Não é assim. Que outras saídas profissionais os vossos ciclos de estudos disponibilizam?

JM: Para além da tradicional licenciatura em Direito, temos outra licenciatura recente dedicada ao Direito Luso-Brasileiro e uma terceira no domínio da Administração Público-Privada. Além de gestores de empresas privadas e públicas e de quadros para a Administração pública e autárquica, formamos licenciados em direito que podem vir a ser advogados, mas também magistrados judiciais ou do ministério público, notários, conservadores dos registos civis e comerciais, jurisconsultos, embaixadores, funcionários de organizações internacionais, professores, etc. Somos a única instituição jurídica que licencia alunos simultaneamente em direito português e em direito brasileiro. É um domínio em que estamos a dar os primeiros passos e em que depositamos grandes esperanças.

PA: Tendo o próprio Instituto Jurídico, uma unidade de investigação e desenvolvimento acreditada e financiada pela Fundação para a Ciência e Tecnologia, a FDUC assume-se como um importante polo de investigação na área. Dos projetos atualmente em andamento, quais destacaria? Além disso, que parcerias possuem para promover a sinergia entre a academia e o setor jurídico?

JM: O Instituto Jurídico (IJ), na verdade, é um dos maiores centros de investigação Jurídica do país. É composto por de 142 investigadores. Acolhe anualmente muitos investigadores e professores estrangeiros. Promove uma formação avançada na área dos doutoramentos e pós-doutoramentos. Tem uma intensa atividade editorial própria. Os projetos em curso abrangem variadas áreas do direito e da sociedade, como, por exemplo, a da cidadania e democracia participativa europeia, a da ética, a da sustentabilidade ambiental, a dos incêndios e gestão do território, a dos direitos fundamentais, a da inteligência artificial, a da justiça, a da investigação e da inovação responsável, a da transição verde e digital, a da empresa, a das migrações, a da pobreza e exclusão, a da energia, a da paz. Entre projetos de tanta qualidade, atualidade e interesse, é difícil escolher. Todos devem ser destacados. O IJ publica uma revista científica chamada Undecidabilities and Law – The Coimbra Journal for Legal Studies (ULCJ), e organiza muitos eventos de caráter científico. Não estamos fechados na nossa investigação e ensino. Promovemos uma ligação com outras instituições ligadas ao mundo do direito e da Administração, em Portugal e no estrangeiro. Seria fastidioso enumerar aqui todas as parcerias em que estamos envolvidos e todas as manifestações de intercâmbio e cooperação com outras instituições jurídicas e administrativas. Basta referir que, entre outras, temos vindo a cooperar com tribunais portugueses, com magistrados do Ministério Público, com a Ordem dos Advogados portuguesa e brasileira. Já é pratica corrente realizar eventos conjuntos com as entidades referidas.

PA: Que parcerias possuem para incitar à mobilidade internacional do corpo estudantil e qual é a importância destas para a consolidação além-fronteiras da Faculdade?

JM: No que respeita ao “Erasmus+”, subscrevemos muitas parcerias com universidades situadas no espaço europeu, africano, asiático e latino-americano, principalmente no Brasil. É de grande importância que os nossos alunos conheçam outras instituições de ensino e outras culturas. É muito enriquecedor que alunos estrangeiros venham estudar na nossa Faculdade, trazendo experiências, conhecimentos e novas sensibilidades. Mas a nossa aposta na internacionalização não passa apenas pela promoção do programa Erasmus+; passa por atrair estudantes dos quatro cantos do mundo. Na última década, estudantes de 53 países frequentaram a nossa casa, vindos de países tão diferentes como o Brasil, Espanha, Angola, Alemanha, Timor-Leste, França, Venezuela, China, Polónia, Ucrânia, Moçambique. O desenvolvimento e intensificação da internacionalização do nosso corpo docente e não docente é também um dos nossos objetivos.

PA: Que iniciativas possuem para ajudar os recém-formados a integrarem o mercado de trabalho e estarem a um passo mais perto do sucesso?

JM: A trajetória profissional dos nossos recém-licenciados preocupa-nos bastante. Por isso, no ano passado, realizámos um questionário aos diplomados pela Faculdade nos últimos 4 anos, no âmbito da criação do novo Núcleo de Empregabilidade da FDUC, justamente para ter informação sobre o percurso de inserção profissional e o impacto da formação académica lecionada ao nível da empregabilidade dos seus diplomados. Este inquérito, assim como outros promovidos pela Universidade de Coimbra e outras autoridades oficiais, de uma forma geral, atestam a adequação do nosso programa de ensino, que se tem vindo a ajustar, com as necessidades do mercado de trabalho. Complementado o programa dos nossos ciclos de estudos, junto da FDUC existem Institutos e centros de investigação que promovem cursos focados em certas áreas específicas do Direito e da Administração, justamente para facilitar aos recém-formados a inserção no mercado de trabalho.

PA: Reconhecendo de antemão a enorme influência socioeconómica da instituição na região, de que maneira a FDUC contribui para este legado e se envolve com a comunidade?

JM: Num mundo em que as regiões enveredam por uma desenfreada competição entre si, e num país onde predominam as regiões de Lisboa e do Porto, a região centro, abafada entre dois poderosos polos, só pode afirmar-se pela qualidade a vários níveis, desde logo, ao nível do ensino e da educação. E isto apenas é possível se as instituições do Ensino Superior, pelo seu rigor, inovação, competência, abertura e abnegação, projetarem a região do centro para a esfera da sociedade em geral, mais especificamente para a do ambiente, da cultura, da justiça, da empresa, da administração, da saúde, da transição digital. No seu âmbito próprio, o do Direito e da Administração, devido à excelência do seu ensino e investigação, à preservação da sua tradição e cultura, ao seu universalismo, a Faculdade de Direito tem projetado Coimbra, a região centro e o país. O seu prestígio é reconhecido nacional e internacionalmente. Sentimos o envolvimento com a comunidade como um dever. Promovendo cursos para empresas, autarquias locais, administração e tribunais; facilitando a disponibilização de docentes para ocuparem cargos em várias instituições locais, regionais, nacionais e internacionais; dispensando docentes para colaborar com outras instituições de ensino superior; associando-nos a eventos culturais, e comemorando eventos de significado nacional, como aconteceu este ano, com a celebração dos 50 anos do 25 de Abril.

Deixe um comentário

Outra Perspetiva

Tradição aliada à Inovação nas Línguas, Literaturas e Culturas

O Departamento de Línguas, Literaturas e Culturas (DLLC) da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, reconhecido pela sua tradição...

Ciências do Desporto e Educação Física apostam na Investigação

A nova direção da Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física da Universidade de Coimbra (FCDEFUC) completou um ano...

Inovação e Excelência, um retrato do Departamento de Química

Em entrevista, Artur Valente, diretor do Departamento de Química da Universidade de Coimbra (DQUC) explica como os cursos pioneiros da...

Ensino de Vanguarda na Engenharia Mecânica

Disponibilizar uma oferta formativa universal, que seja capaz de tornar os alunos uma referência além-fronteiras, e continuar na linha da...

Um ensino de excelência da Engenharia Química

Formar as futuras gerações de Engenheiros Químicos com uma sólida e abrangente capacidade técnica e com aptidões interpessoais desenvolvidas é...