Engenharia e Biotecnologia Florestal – uma nova licenciatura para uma nova Floresta

A licenciatura em Engenharia e Biotecnologia Florestal é uma aposta inovadora de formação interuniversitária, oferecida em parceria pela UTAD e pela UPorto, que combina a engenharia florestal com a biologia e a biotecnologia, apostando na Transição Verde e Digital. O plano de estudos combina o conhecimento do setor florestal com ferramentas na fronteira do desenvolvimento tecnológico, como as ómicas, as biotecnologias ou a observação remota da Terra. Esta nova licenciatura forma técnicos qualificados para valorizar a Floresta no quadro dos desafios do desenvolvimento sustentável. 

Uma parceria estratégica para a Floresta 

A nova licenciatura em Engenharia e Biotecnologia Florestal é uma aposta inovadora de formação superior que combina o conhecimento dos ecossistemas e fileiras florestais com as oportunidades emergentes da Biotecnologia e da Transição Verde e Digital. Resultante de uma parceria entre a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro e a Universidade do Porto, esta licenciatura valoriza a gestão sustentável de paisagens florestais e agroflorestais, as aplicações biotecnológicas na Floresta, e a inovação ao nível das tecnologias da madeira.  

Reflexo de uma atenção particular aos novos desafios da Floresta, o plano de estudos desta nova licenciatura potencia o conhecimento do setor florestal com a aplicação de novas ferramentas na fronteira do desenvolvimento tecnológico, como as ómicas, as biotecnologias, a observação remota da Terra ou a inteligência artificial. Esta nova licenciatura formará técnicos qualificados para potenciar a Floresta como fonte de rendimento e de valorização social, no quadro dos desafios globais do desenvolvimento sustentável. 

Novos profissionais para uma nova Floresta 

Este curso inovador pretende formar licenciados com espírito crítico, proativos e dinâmicos, que sejam agentes de modernização e competitividade do setor florestal, desempenhando funções profissionais ou prosseguindo formação superior em áreas relacionadas com a floresta, os recursos naturais e a biotecnologia. Estes licenciados deverão ser capazes de implementar atividades aplicadas à produção, transformação e comercialização de produtos florestais; aplicar soluções tecnológicas e biotecnológicas à gestão florestal (na adaptação à mudança climática, na gestão do risco de incêndio, ou na valorização das externalidades da Floresta); e desenvolver atividades de investigação e desenvolvimento (bio)tecnológico para a valorização de recursos e territórios florestais. 

Os desafios da sustentabilidade da Floresta motivam uma procura crescente de profissionais qualificados, por parte de autarquias e outros organismos da administração pública, centros de investigação e inovação, e empresas. Um licenciado em Engenharia e Biotecnologia Florestal pode desempenhar uma grande diversidade de funções técnicas, de investigação e de consultoria, em entidades públicas ou privadas. As unidades de investigação e os institutos de interface das duas Universidades assumem um papel central na aproximação ao mercado de trabalho e no estímulo à inovação e ao empreendedorismo. 

Um perfil formativo inovador 

Esta nova licenciatura é oferecida por duas Universidades situadas em duas cidades e em duas realidades territoriais distintas, algo singular ao nível do 1º ciclo (licenciatura) em Portugal. O modelo de funcionamento é, ele próprio, inovador. O 1º ano (formação nuclear em ciências naturais e exatas) decorre na Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, e o 2º ano (formação em ciências florestais e engenharia florestal) decorre na UTAD, em Vila Real. No 3º ano, os alunos poderão optar por aprofundar a formação biotecnológica ou em Engenharia Florestal, ou ainda combinar disciplinas para uma formação sólida em ambas as áreas. Este modelo justifica a aposta no ensino em B-Learning, em particular no 3º ano. 

Outro aspeto inovador é a aposta em desafios atuais e emergentes, e em soluções inovadoras para esses desafios. O plano de estudos inclui assim disciplinas de economia do ambiente e avaliação de serviços de ecossistema; ação climática, gestão da biodiversidade e restauro de ecossistemas; aplicações da observação remota da Terra e da inteligência artificial; e ómicas e suas aplicações biotecnológicas. A exposição a realidades internacionais fornece a estes profissionais uma capacidade acrescida de inovação e transformação do setor florestal, não só em Portugal, mas também noutros países e regiões do globo. 

Deixe um comentário

Outra Perspetiva

Tradição aliada à Inovação nas Línguas, Literaturas e Culturas

O Departamento de Línguas, Literaturas e Culturas (DLLC) da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, reconhecido pela sua tradição...

Ciências do Desporto e Educação Física apostam na Investigação

A nova direção da Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física da Universidade de Coimbra (FCDEFUC) completou um ano...

Inovação e Excelência, um retrato do Departamento de Química

Em entrevista, Artur Valente, diretor do Departamento de Química da Universidade de Coimbra (DQUC) explica como os cursos pioneiros da...

Ensino de Vanguarda na Engenharia Mecânica

Disponibilizar uma oferta formativa universal, que seja capaz de tornar os alunos uma referência além-fronteiras, e continuar na linha da...

Um ensino de excelência da Engenharia Química

Formar as futuras gerações de Engenheiros Químicos com uma sólida e abrangente capacidade técnica e com aptidões interpessoais desenvolvidas é...