O papel fundamental dos Enfermeiros especializados na área da Endoscopia e Gastrenterologia

O Presidente da Associação Portuguesa de Enfermeiros de Endoscopia e Gastrenterologia destaca-nos as mais recentes práticas inovadoras destas duas especialidades. Nesta entrevista, Rafael Oliveira fala-nos ainda do papel da APEEGAST na formação e atualização técnica dos seus associados.

Perspetiva Atual: Como nasceu a APEEGAST e qual a sua missão?

Rafael Oliveira: A APEEGAST nasceu em abril de 2014, dando continuidade a um projeto que nasceu em 2000, na altura a Associação Nacional de Enfermeiros de Endoscopia Digestiva (ANEED).

Como o nome indica, surgiu da necessidade de dar resposta às crescentes e frequentes solicitações na área da Gastrenterologia. Abrangendo todas as suas valências (como as técnicas endoscópicas digestivas, os Hospitais de Dia e o Internamento), com o objetivo de sustentar o crescimento e a importância da Enfermagem, num contexto tão especializado, inserido numa equipa multidisciplinar.

Rafael Oliveira, Presidente da APEEGAST

Temos como missão principal, a valorização técnica e científica dos enfermeiros deste contexto profissional ao promover, realizar e apoiar a formação contínua, permanente e sustentada. Tanto no intercâmbio de ideias, boas práticas, experiências e conhecimentos técnico-científicos com organismos congéneres nacionais e internacionais, como na investigação, na área da endoscopia digestiva e gastrenterologia, contribuindo para a melhoria da qualidade dos cuidados de saúde na nossa área de intervenção.

PA: Que serviços são prestados na Associação Portuguesa de Enfermeiros de Endoscopia e Gastrenterologia?

RO: No seu âmbito de intervenção, a APEEGAST prioriza a formação e atualização técnica dos seus associados, assim como a conceção e a divulgação de guidelines referentes às boas práticas desta especificidade profissional.

A Associação incentiva, ainda, a comunicação entre profissionais na partilha de conhecimento e no apoio e promoção de eventos científicos, e apoia financeiramente a divulgação internacional de trabalhos de investigação realizados pelos nossos associados, representando Portugal a este nível.

Sempre que solicitado, presta apoio técnico e orientação ética e deontológica em questões legais e práticas surgidas em contexto profissional no exercício de funções.

PA: Que técnicas inovadoras recentes, dentro da área da Endoscopia e da Gastrenterologia, destaca?

RO: Esta é uma área que tem tido um crescimento exponencial, não só pela evolução tecnológica, como pela evidência científica demonstrada na grande capacidade do diagnóstico precoce e no tratamento curativo e paliativo. Este é realizado a partir de programas como o rastreio do cancro colorretal.

É difícil indicar uma técnica específica pois, além de existir uma variedade de intervenções possíveis, a grande maioria delas são complexas e altamente diferenciadas. Estas vão desde a excisão de lesões neoplásicas, como por exemplo a Disseção Endoscópica da Submucosa, passando pelas modernas técnicas cirúrgicas endoscópicas, como Divertículo de Zenker até à terapêutica endoscópica da obesidade, exemplificativamente o Sleeve Endoscópico.

Tivemos, também, uma grande evolução a nível da Colangiopancreotografia Retrógrada Endoscópica (CPRE) e da Eco Endoscopia, com um papel de primazia no tratamento de dor crónica com impacto significativo na qualidade de vida dos clientes.

Não podemos deixar de evidenciar os avanços a nível da Doença Intestinal inflamatória que, devido ao surgimento de várias terapêuticas biológicas e biossimilares,  trouxe qualidade de vida aos portadores desta patologia.

A nível da Hepatologia, a hepatite B e C surgem como um problema de saúde pública, havendo vacina e tratamento para hepatite B e cura para a hepatite C. Estes antivíricos, proporcionam a cura e muitas vezes interrompem a evolução da doença (Cirrose Hepática e Hepatocarcinoma) e têm-se traduzido numa mais-valia para a saúde e para a qualidade de vida.

Portugal assumiu uma meta ambiciosa junto da Organização Mundial da Saúde (OMS), a de contribuir para a eliminação das hepatites virais até 2030. Neste âmbito, destacamos o trabalho autónomo do enfermeiro a nível dos Hospitais de Dia, onde a Consulta de Enfermagem constitui um apoio técnico e emocional imprescindível no cuidar do cliente e da família.

PA: Relativamente a parcerias nacionais e internacionais, quem são os parceiros da APEEGAST e qual a importância de se estabelecerem estas cooperações?

RO: O nosso parceiro principal tem sido a Ordem dos Enfermeiros que, num contexto de valorização profissional e melhoria contínua da qualidade em endoscopia digestiva, nos apoiou e validou a Certificação Acrescida de Competências em Endoscopia Digestiva.

Parceiros como a SPED (Sociedade Portuguesa de Endoscopia Digestiva), a SPG (Sociedade Portuguesa de gastrenterologia) e a APEF (Associação Portuguesa para o Estudo do Fígado) têm contribuído para o nosso crescimento enquanto associação nacional que, desde 2014, fruto do protocolo, passou a estar integrada na Semana Digestiva, o principal congresso científico nacional na área da Gastrenterologia.

Internacionalmente, representando Portugal, somos associados da European Society of Gastroenterology and Endoscopy Nurses and Associates (ESGENA) e integramos o ESGENA Education Working Group (EEWG).

Não podemos esquecer a Indústria especializada que nos tem apoiado técnica e cientificamente na realização de diversos eventos.

Citando Vreede e Briggs (2005), a APEEGAST vê toda esta cooperação como uma “articulação de um esforço comum em direção a um objetivo”. A união de esforços permite-nos alcançar a compreensão e um nível de competências que, em termos de Associações e Sociedades científicas, melhoram a qualidade em saúde esperada e exigida pela sociedade em geral. É grande a sua importância no desenvolvimento pessoal e profissional ao tornar possível a divulgação de boas práticas e a realização de projetos e eventos científicos.

Para a APEEGAST, esta “cooperação é a convicção plena de que ninguém pode chegar à meta se não chegarem todos” (Virginia Burden).

PA: Qual é a importância de termos cada vez mais enfermeiros especializados?

RO: A certificação de competências acrescidas e especializadas é uma tendência internacional e a Enfermagem em Portugal deverá acompanhar esta tendência, dotando os enfermeiros de conhecimento e competências, que lhes permitam desempenhar atividades cada vez mais complexas, ultrapassando o domínio dos cuidados gerais.

É um processo que responde à evolução das necessidades, no que diz respeito aos cuidados de saúde, e que se traduz em ganhos de eficiência e efetividade em saúde, como a diminuição do erro e taxa de internamento. Este proporciona ganhos institucionais para o próprio enfermeiro, pelo impacto positivo que tem na sua valorização profissional, melhorando os seus índices de satisfação e de motivação, pois permite a prestação de cuidados de saúde de qualidade.

PA: Ainda existe o preconceito de que os enfermeiros não estão aptos para várias tarefas, sendo que na verdade têm a devida formação para as cumprir?

RO: Não nos revemos nesta linha de pensamento. Após a par da sua formação de 4 anos, têm disponíveis Pós-Graduações, Especialidades, Mestrados e Doutoramentos, e em verdade, todos os Enfermeiros efetuam um percurso formativo ímpar de acordo com os serviços em que se inserem, com as necessidades de formação individuais e das próprias especificidades assistenciais nas quais participam. 

A saúde é um dos mais complexos e adaptativos sistemas, encontrando-se em constante atualização. Neste ambiente tão desafiante e único, apenas um trabalho multidisciplinar responderá às necessidades dos nossos clientes.

Todos os profissionais de saúde são igualmente relevantes, o que não exclui a premência da diferenciação, a contínua atualização, e foco no cliente e sua família, alguns dos pilares pelo qual a Enfermagem se rege.

PA: Quais são os seus objetivos para o futuro da APEEGAST?

RO: Num presente em constante mudança, os objetivos futuros da APEEGAST refletem-se num caminho traçado pela sua Direção que tem ganho cada vez mais importância para a Enfermagem. Nisto a promoção e o reconhecimento do enfermeiro em Endoscopia Digestiva e Gastrenterologia serão fundamentais e uma garantia para a qualidade assistencial em Enfermagem em Endoscopia e Gastrenterologia. Uma constante atualização nesta área de especialidade onde a partilha do conhecimento e a discussão de experiências nos eleva como elementos ativos e inseparáveis de uma equipa multidisciplinar.

A formação especializada será, certamente, um dos caminhos mais importantes a seguir, onde a constituição de Pós-Graduação em Enfermagem em Endoscopia Digestiva apresenta-se como a validação desta tão importante necessidade em Enfermagem para o desempenho assistencial de qualidade.

O futuro transporta-nos também pelo caminho da Hepatologia e da Doença Intestinal Inflamatória, áreas de vital importância e intervenção do enfermeiro no contexto da Gastrenterologia, onde o reconhecimento como competência acrescida deverá ser validado e a formação Pós-Graduada uma realidade no ensino em Enfermagem.

Num futuro mais longínquo, mas esperando estar próximo, uma especialização em Enfermagem em Gastrenterologia, aglutinadora de todas estas áreas especificas, validada e reconhecida pela Ordem dos Enfermeiros à semelhança das existentes atualmente.

A manutenção das parcerias nacionais e internacionais são também de vital pertinência para o nosso crescimento e validação da importância do enfermeiro em endoscopia e gastrenterologia.

Por fim, torna-se imperativo o investimento na investigação, na necessidade sentida pelos enfermeiros de desenvolver o seu conhecimento científico e aplicabilidade prática a nível dos cuidados prestados. A produção de conhecimento torna-se no garante de uma enfermagem especializada, de um processo assistencial seguro e de qualidade em todas as suas dimensões.

A Investigação é, sem quaisquer dúvidas, um caminho que tem de se manter e de ser percorrido.

Deixe um comentário

Outra Perspetiva

Tradição aliada à Inovação nas Línguas, Literaturas e Culturas

O Departamento de Línguas, Literaturas e Culturas (DLLC) da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, reconhecido pela sua tradição...

Ciências do Desporto e Educação Física apostam na Investigação

A nova direção da Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física da Universidade de Coimbra (FCDEFUC) completou um ano...

Inovação e Excelência, um retrato do Departamento de Química

Em entrevista, Artur Valente, diretor do Departamento de Química da Universidade de Coimbra (DQUC) explica como os cursos pioneiros da...

Ensino de Vanguarda na Engenharia Mecânica

Disponibilizar uma oferta formativa universal, que seja capaz de tornar os alunos uma referência além-fronteiras, e continuar na linha da...

Um ensino de excelência da Engenharia Química

Formar as futuras gerações de Engenheiros Químicos com uma sólida e abrangente capacidade técnica e com aptidões interpessoais desenvolvidas é...