FCV da Universidade da Madeira perspetiva a futura introdução dos últimos anos do Curso de Medicina na sua oferta formativa

Vista como um ponto turístico, a Ilha da Madeira tem investido cada vez mais nos bens essenciais, como saúde e educação, de modo a fixar um maior número de pessoas e famílias no seu território. Desta vez, é a Faculdade de Ciências da Vida da Universidade da Madeira que, através do seu “Projeto Medicina” e em conjunto com o novo Hospital Central e Universitário da Madeira ainda em construção, tem a oportunidade de contribuir para a evolução do “Jardim Flutuante”, que tão amplas e diversificadas oportunidades já proporciona no campo da Biologia. Segundo Rosa Gouveia, Presidente da FCV, a estruturação da nova fase do Curso de Medicina é pensada de acordo com as necessidades locais.

Perspetiva Atual: Qual é a principal missão da Faculdade de Ciências da Vida da Universidade da Madeira?

RG: A Faculdade de Ciências da Vida (FCV) da Universidade da Madeira (UMa) tem como principal missão preparar os estudantes para o futuro, proporcionando ensinamentos técnico-científicos de qualidade, incentivando a pensar de forma aberta, como “universitário” e transmitindo valores de correta conduta profissional.

PA: Quais as áreas profissionais a que se dedica?

RG: A FCV engloba a Biologia (Licenciatura, Mestrado e Doutoramento) e a Medicina (Ciclo Básico – 1º, 2º e 3º anos). A Medicina na UMa funciona sob a forma de “Projeto” autónomo, em parceria com a Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa (FMUL).

PA: Dentro da oferta curricular da FCV, quais os cursos que têm obtido uma maior adesão nestes últimos anos?

RG: Quer a Biologia quer a Medicina na FCV têm apresentado elevada procura e adesão.

PA: Quais os principais obstáculos com que uma faculdade insular como a FCV se depara?

RG: A FCV da UMa, enquanto localizada numa ilha, tem de conviver e tentar superar constrangimentos de meios de transporte, quer no que respeita a Recursos Humanos quer a equipamentos e consumíveis.

PA: Para além do ensino, a atividade da FCV é complementada com a vertente de investigação. Como corre a investigação na Faculdade e de que modo são os estudantes integrados nestes processos?

RG: Os Docentes da Faculdade de Ciências da Vida (FCV) são profissionais dedicados, que desenham e promovem investigação interna e que criam ligações externas e integram redes e projetos de investigação com outros Colegas, Centros e Instituições (regionais, nacionais e internacionais).

PA: Relativamente aos projetos em curso, consegue destacar algum?

RG: Dos projetos em curso mencionaríamos, por exemplo, os seguintes:

  • iFADO – Innovation in the Framework of the Atlantic Deep Ocean.
  • Dinâmica da metacomunidade de espécies com ciclo de vida complexos em ecossistemas explorados/ Metacommunity dynamics of complex life cycle species in exploited ecosystems.
  • Conservation of Madeira’s Endemic Butterflies.
  • CASBio – Avaliação e monitorização da Agrobiodiversidade e da Sustentabilidade dos Agrossistemas nos novos cenários climáticos.
  • MACFLOR2 (MAC2/4.6d/386).
  • World Organization of Family Doctors (WONCA) on Quality and Patient Safety-revisão sistemática da literatura, para responder à questão de investigação: What is the available research conducted about tools/interventions/quality improvement initiatives that aims at improving patient safety in the primary care setting by supporting patient and family engagement? 
  • AsymDenv: Madeira dengue outbreak: a tool for searching host factors involved in asymptomatic infection.
  • Patologia Vascular na Ilha da Madeira (Vascular Pathology in Madeira Island).

PA: Uma Universidade/Faculdade sediada em meios mais “pequenos”, como as ilhas ou o interior, tem sempre um grande impacto na economia locar e até na contribuição para uma sociedade mais diversificada e jovem. Como é que a FCV se mantém ligada à comunidade madeirense e ao tecido empresarial regional?

RG: A FCV da UMa recebe alunos de ensino secundário para Estágios de Verão, promove os seus Cursos em mostras – como a “EXPOMADEIRA – Feira de Atividades Económicas 2022” – , divulga os seus congressos, atividades e parcerias através do site, do Gabinete ou meios de comunicação, solicita a intervenção de mecenas (para obtenção de equipamento necessário para o ensino e/ou investigação), entre outras formas de ligação.

Da FCV (Biologia e Medicina) têm saído profissionais que são integrados no tecido laboral do Arquipélago da Madeira.

PA: Nos últimos anos a Madeira tem sido encarada como um destino de sonho por comunidades estrangeiras. Este é um facto que se verifica também na mobilidade de estudantes?

RG: Sim, de facto. Temos estudantes de Portugal Continental e de Países Estrangeiros (Espanha, Itália, Venezuela, entre outros), quer na Biologia quer na Medicina.

PA: De que forma a FCV promove o intercâmbio cultural, científico e técnico?

RG: A promoção do intercâmbio referido decorre da comunicação interpares, da participação e/ou realização em eventos formativos e técnico-científicos, da publicação de artigos e outros documentos escritos.  

PA: O PSD/Madeira defendeu no dia 17 de outubro que a Universidade da Madeira deve assumir o papel de mediadora no reconhecimento de cursos de emigrantes. O que isto significaria para a Universidade?

RG: O reconhecimento dos Cursos de Emigrantes é função de Entidades Oficiais competentes. A UMa e a FCV, em particular, recebem alunos emigrantes nos seus Cursos, assim como Docentes e Colaboradores Não-Docentes após as formalidades legais.

PA: A FCV está a investir na introdução dos últimos anos do Curso de Medicina. Este investimento está relacionado com a construção do novo Hospital Central e Universitário da Madeira?

RG: O Ciclo Básico de Medicina existe na UMa desde 2004. Tem vindo a ser solidificado e expandido (início do 3º ano em 2021). A UMa e a FCV (através do “Projeto Medicina” e da sua Instituição parceira – a FMUL) visam continuar um caminho sereno, seguro, correto e de qualidade no sentido de proporcionar o Curso de Medicina completo na Região Autónoma da Madeira (RAM). Também visam contribuir para, atempada e adequadamente, dar corpo a um “Centro Académico Clínico”.

A construção do novo Hospital Central da Madeira é uma enorme mais-valia para a RAM, que em união com a Universidade da Madeira, será também Hospital Universitário.

PA: Quais as linhas orientadoras usadas para a estruturação da nova fase do Curso?

RG: A nova fase do Curso de Medicina – futura introdução dos últimos anos letivos – é um processo de elaboração consciente, cautelosa, de acordo com as necessidades locais e em sintonia com a Instituição parceira FMUL. 

PA: Qual o perfil de estudante que esperam cativar?

RG: Todos os estudantes dedicados ao Curso são bem-vindos.

PA: É de conhecimento geral que a Universidade da Madeira terá um papel de grande importância no funcionamento do Hospital, principalmente na área de investigação. Quais são as expectativas para esta colaboração?

RG: A UMa e o “Projeto Medicina” continuarão a empenhar-se na adequada colaboração ativa com a Secretaria Regional da Saúde e Proteção Civil e com Instituições de Saúde, em todas as áreas, incluindo na investigação. E como já mencionado, um “Centro Académico Clínico” atempadamente tomará forma.

PA: Qual será a diferença entre a investigação realizada nesta área e a investigação que acontece nos centros próprios da FCV?

RG: A investigação científica amplifica-se e diversifica-se sempre que há sinergia de colaboradores e de instituições.

PA: É esperado que com a abertura deste novo Hospital e, consequentemente, a construção de mais postos de trabalho, se verifique um aumento de candidatos de fora da ilha ao Curso de Medicina?

RG: Sim, o cenário de novos postos de trabalho no novo Hospital poderá atrair candidatos externos à RAM para o Curso de Medicina na UMa.

PA: Quais os principais objetivos desta direção para o futuro da FCV?

RG: A atual direção visa que a Faculdade de Ciências da Vida (FCV) continue a trabalhar com qualidade no ensino e na investigação, que multiplique e diversifique parcerias regionais, nacionais e internacionais; não prescindindo do bom relacionamento interpessoal.

Deixe um comentário

Outra Perspetiva

Tradição aliada à Inovação nas Línguas, Literaturas e Culturas

O Departamento de Línguas, Literaturas e Culturas (DLLC) da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, reconhecido pela sua tradição...

Ciências do Desporto e Educação Física apostam na Investigação

A nova direção da Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física da Universidade de Coimbra (FCDEFUC) completou um ano...

Inovação e Excelência, um retrato do Departamento de Química

Em entrevista, Artur Valente, diretor do Departamento de Química da Universidade de Coimbra (DQUC) explica como os cursos pioneiros da...

Ensino de Vanguarda na Engenharia Mecânica

Disponibilizar uma oferta formativa universal, que seja capaz de tornar os alunos uma referência além-fronteiras, e continuar na linha da...

Um ensino de excelência da Engenharia Química

Formar as futuras gerações de Engenheiros Químicos com uma sólida e abrangente capacidade técnica e com aptidões interpessoais desenvolvidas é...