“Academia CICS-UBI” vai inaugurar em 2024 com cursos e iniciativas sobre ciência para a comunidade em geral

Além de se encontrar no epicentro da investigação biomédica, o Centro de Investigação em Ciências da Saúde da Universidade da Beira Interior (CICS-UBI) é um catalisador de mudança na sociedade. Nesta entrevista exclusiva, Luís Taborda Barata, coordenador científico do CICS-UBI, apresenta os novos planos para 2024 e partilha os segredos da colaboração entre os 200 investigadores do Centro, a transferência de conhecimento para a indústria e o compromisso social que visa impactar a comunidade.

Podem começar por nos falar um pouco mais sobre a história e evolução do Centro de Investigação em Ciências da Saúde?

O CICS-UBI, cujo lema é “Gerar e transferir Ciência com impacto na sociedade”, foi criado em 2001. Ao longo dos anos, foi-se consolidando em recursos humanos e infraestruturas, nos pilares da sua missão e nos outputs de investigação, com aumento no número e qualidade das publicações, na inserção em colaborações e redes internacionais, no número de patentes e de projetos de investigação financiados, nomeadamente em termos internacionais.

Atualmente, o CICS-UBI tem 6 grupos de investigação: Biopharmaceuticals and Biomaterials (BB), Drug Discovery, Development and Safety (3DS), Hormones & Metabolism (H&M), Natural Products & Microbiology (NPM), Neurological Diseases (ND) e Respiratory & Allergic Diseases (RAD), que são a base da investigação translacional de elevada qualidade com foco em doenças com impacto na saúde humana e envolvendo o estudo de mecanismos moleculares subjacentes, a identificação de biomarcadores, e o desenvolvimento de ferramentas biotecnológicas e de fármacos/biofármacos mais inovadoras e eficazes na prevenção, diagnóstico, monitorização, tratamento ou prognóstico das doenças.

Finalmente, o CICS-UBI foi consolidando interações produtivas com a indústria e entidades clínicas, a academia, a governança e a sociedade, com componentes a nível internacional, nacional e regional.

O CICS-UBI concentra-se em diversas áreas de investigação, desde doenças neurológicas até às neoplásicas. Como é que o centro escolhe as áreas que deve priorizar e quais são os critérios para a seleção de projetos específicos?

O CICS-UBI escolheu estudar cinco grupos de doenças – neoplásicas (cancro), neurológicas, endócrinas, infeciosas e respiratórias, por terem um peso societário elevado. Dentro destas, foi dada prioridade àquelas em que há maior experiência e conhecimento dos investigadores deste Centro, e nas quais o papel do CICS-UBI pode ser mais inovador. Por exemplo, no cancro há um foco particular em certas formas de cancro cerebral, da próstata e da mama. Dentro de cada doença as áreas prioritárias são definidas pelos grupos de investigação existentes. Contudo, o papel da coordenação do CICS-UBI e da sua Comissão Executiva, envolve garantir que os critérios de seleção de projetos específicos têm a ver com as áreas prioritárias do Centro e que, preferencialmente, envolvem investigadores de dois ou mais grupos e incluem uma componente de internacionalização.

Com cerca de 200 investigadores, o CICS-UBI é uma comunidade significativa. De que modo a colaboração é promovida dentro do centro e quais os principais desafios enfrentados ao coordenar uma equipa tão diversificada?

No CICS-UBI, a estratégia para fomentar as colaborações internas inclui: a) reuniões regulares nas quais são apresentados trabalhos de todos os grupos e é possível fazer um levantamento de necessidades de colaboração; b) a atribuição de um prémio ao melhor artigo científico resultante da colaboração de investigadores de, pelo menos, dois grupos diferentes (“Best Annual Joint Paper Award”); c) a atribuição de um prémio ao melhor projeto envolvendo, pelo menos, dois grupos diferentes (“Collaborative Project Award”). Esta abordagem tem sido produtiva, mas coordenar uma equipa tão diversificada não é fácil e o principal desafio consiste na frequente tendência para a dispersão temática de investigação. Contudo, tem sido progressivamente criado um sentido de missão, o que tem permitido seguir o plano estratégico que visa tornar o CICS-UBI mais colaborativo, internacionalizado, inovador e com impacto científico e societário.

Além da investigação, o CICS-UBI também se compromete com a transferência de conhecimento e tecnologia para a indústria. De que forma essa transferência é facilitada e qual tem sido o impacto nas indústrias farmacêuticas e biotecnológicas, tanto a nível nacional como internacional?

O CICS-UBI tem várias áreas de investigação com forte potencial de transferência de conhecimento e tecnologia, o que se reflete no registo regular de patentes e interação com a indústria farmacêutica e biotecnológica nacional e internacional. Para facilitar estes aspetos, várias ações têm vindo a ser tomadas para com a indústria, de acordo com o Plano Estratégico: projetos conjuntos e protocolos; registo de potenciais novos parceiros; realização de doutoramentos em ambiente industrial; reuniões temáticas entre investigadores e representantes da indústria; colaboração com a UBIMedical, centro ligado ao empreendedorismo e inovação; e, ainda, a participação em redes como o Health Cluster Portugal ou a rede europeia EATRIS (translação). Assim, tem havido um impacto progressivamente maior, nacional e internacional, com estabelecimento progressivo de mais parcerias produtivas, com transferência de conhecimento e tecnologia.

É evidente que o CICS-UBI está profundamente ligado à Universidade da Beira Interior (UBI). Como é que essa parceria se manifesta no dia a dia das atividades de investigação e de que forma é que a universidade apoia os objetivos e iniciativas do centro?

O CICS-UBI é parte da UBI e comunga dos mesmos princípios de rigor, excelência e inovação na investigação. A parceria manifesta-se, entre outras formas, através da participação do CICS-UBI nas reuniões estratégicas do Instituto de Coordenação da Investigação (ICI) da UBI; de reuniões de análise e discussão, com a Reitoria e a Vice- -Reitoria para a Investigação, para resolução de problemas afetando a investigação na Unidade ID; e do envolvimento ativo do CICS-UBI em iniciativas de investigação envolvendo redes de universidades nas quais a UBI está envolvida (como a rede UNITÁ).

A UBI tem sempre apoiado todos os objetivos e iniciativas do CICS-UBI, tendo também um papel fulcral na submissão de candidaturas a financiamento de equipamentos e infraestruturas, bem como no recrutamento de recursos humanos.

No que diz respeito aos programas académicos, o CICS- -UBI oferece programas de doutoramento e cursos de curta duração em várias áreas das Ciências da Saúde. Como é que esses programas são integrados no contexto académico mais amplo da UBI e de que forma contribuem para a missão educacional da universidade?

O CICS-UBI organiza cursos de curta duração, sobre técnicas e aspetos de investigação que figuram no leque de oferta dos programas de doutoramento de Biomedicina, Ciências Farmacêuticas, e Medicina (da Faculdade de Ciências da Saúde) e de Bioquímica (da Faculdade de Ciências), entre outros cursos de formação técnica e de “soft skills”, não inseridos em programa de doutoramento. Estes cursos estão, de forma global, a ser reestruturados no âmbito da “Academia CICS-UBI” (em instalação), na vertente para investigadores. Por outro lado, os cursos estão, também, integrados na oferta formativa da UBI e das Faculdades envolvidas, e contribuem para a missão educacional da universidade ao promoverem qualificação de alto nível em termos de investigação.

Além das colaborações académicas, o CICS-UBI também se envolve em atividades de responsabilidade social em colaboração com a sociedade. De que maneira a UBI apoia essas iniciativas e qual é o impacto percebido na ligação entre o CICS e a comunidade local?

As atividades de responsabilidade social incluem ações na comunidade, bem como a organização de iniciativas no CICS-UBI para diferentes segmentos da sociedade. Em 2024, vai ser lançada a “Academia CICS-UBI” com diversos cursos e iniciativas sobre ciência, adaptados para a comunidade em geral (vertente comunitária). Mais ainda, o CICS-UBI quer promover uma intervenção ativa da comunidade na investigação através de uma estratégica de “Ciência Cidadã”. Por outro lado, o CICS-UBI também vai começar a promover, em 2024, reuniões e sessões de discussão temática sobre as doenças que o CICS-UBI estuda, e que irão envolver investigadores, clínicos, doentes e cuidadores. Finalmente, o CICS-UBI já estabeleceu, em 2023, uma colaboração com o Jornal do Fundão, para lançar uma coluna mensal de comunicação de ciência para a comunidade. A UBI tem apoiado todas as iniciativas que o CICS-UBI tem implementado neste contexto, pois está bem ciente do impacto que o CICS-UBI já tem na comunidade envolvente, mas que se quer aprofundar ainda mais.

Por fim, considerando a formação avançada e as carreiras científicas oferecidas pelo CICS-UBI, através de que meios o centro procura inspirar e preparar os jovens para seguir carreiras na investigação científica?

O CICS-UBI procura inspirar e preparar os jovens para seguirem carreiras na investigação científica neste Centro estimulante e inovador, através de iniciativas que incluem a colaboração com iniciativas da UBI, pela realização de cursos, exposições, palestras e visitas ao CICS-UBI, que têm como público-alvo alunos do ensino secundário e em fases escolares ainda mais iniciais, bem como através da colaboração ativa com alunos de mestrado e doutoramento do CICS-UBI, para organização de iniciativas e cursos de formação sobre aspetos ligados ao desenvolvimento profissional contínuo, preparando os jovens para uma carreira de sucesso em investigação.

Deixe um comentário

Outra Perspetiva

Tradição aliada à Inovação nas Línguas, Literaturas e Culturas

O Departamento de Línguas, Literaturas e Culturas (DLLC) da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, reconhecido pela sua tradição...

Ciências do Desporto e Educação Física apostam na Investigação

A nova direção da Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física da Universidade de Coimbra (FCDEFUC) completou um ano...

Inovação e Excelência, um retrato do Departamento de Química

Em entrevista, Artur Valente, diretor do Departamento de Química da Universidade de Coimbra (DQUC) explica como os cursos pioneiros da...

Ensino de Vanguarda na Engenharia Mecânica

Disponibilizar uma oferta formativa universal, que seja capaz de tornar os alunos uma referência além-fronteiras, e continuar na linha da...

Um ensino de excelência da Engenharia Química

Formar as futuras gerações de Engenheiros Químicos com uma sólida e abrangente capacidade técnica e com aptidões interpessoais desenvolvidas é...